Negócios

Itaú e Diver.SSA vão investir em micronegócios liderados por mulheres

Inscrições do programa Itaú Mulher Empreendedora estão abertas até 20 de novembro

Ítala Herta, fundadora da DIVER.SSA (Natalia Gomes/Reprodução)

Ítala Herta, fundadora da DIVER.SSA (Natalia Gomes/Reprodução)

Marina Filippe

Marina Filippe

Publicado em 16 de novembro de 2020 às 14h30.

O programa Itaú Mulher Empreendedora, que visa conectar e capacitar mulheres donas de empresas, e a Diver.SSA, uma iniciativa focada em fomentar o empreendedorismo feminino de impacto social no Norte e Nordeste, lançam edital para programa de aceleração de negócios liderados por mulheres com foco em empreendedoras mais vulneráveis. O programa tem apoio financeiro e técnico da International Finance Corporation (IFC), organização do Grupo Banco Mundial.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor 

Em sua quarta edição, o Programa Itaú Mulher Empreendedora seguirá metodologia baseada em pilares de autoconhecimento, autoconfiança e autogestão. Em parceria com a Diver.SSA, ao final da edição 2021, cinco finalistas receberão, além do treinamento oferecido pelo programa, um investimento semente no valor de 10 mil reais.

O programa completo de aceleração, que irá selecionar 30 empreendedoras pelo edital, tem duração de quatro meses e meio, e será dividido em três fases, conforme cronograma disponível no site.

"É importante fazermos esse acolhimento para incentivar as mulheres a encarar os desafios de negócio com maturidade", diz Ítala Herta, Fundadora da Diver.SSA. "Além disso, esta é a primeira edição do programa de aceleração a contar com um investimento semente para as finalistas e com a parceria do Itaú Mulher Empreendedora e o apoio da IFC".

O projeto busca empreendedoras com os mais diversos perfis e contextos interculturais. A participação é aberta a mulheres de todo o Brasil e, nesta edição, a seleção irá priorizar negócios liderados por mulheres, negras, indígenas e LBTs (lésbicas, bissexuais e transexuais) das regiões Norte e Nordeste. Até o momento 75% de inscritas são das regiões Norte e Nordeste e 89% de pretas e pardas.

"O objetivo do programa é impactar os negócios femininos no Norte e Nordeste com uma metodologia desenvolvida por mulheres para mulheres e já testada em diversos micronegócios. Investir nelas é também investir em uma parte importante da força econômica do país", diz Ítala.

Para participar do programa, as empreendedoras devem seguir as orientações dispostas no edital Itaú Mulher Empreendedora + Diver.SSA , com inscrições abertas até 20 de novembro, e preencher alguns requisitos como: ser uma microempreendedora individual (MEI), ou, em caso de informalidade, capaz de comprovar existência do negócio há pelo menos dois anos - serão consideradas provas de existência, por exemplo, página em redes sociais do desenvolvimento do negócio, site de vendas, cadastro de plataformas virtuais de venda e/ou entrega de produtos. Não há limitação de idade, não há consulta aos serviços de proteção ao crédito.

"O programa Aceleração Itaú Mulher Empreendedora representa o compromisso em estimular o poder de transformação das pessoas. Estamos muito felizes em poder ajudar empreendedoras de diversos contextos e com negócios de impacto nas regiões determinadas" diz Luciana Nicola, superintendente de relações institucionais, sustentabilidade e negócios inclusivos do Itaú Unibanco.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Acompanhe tudo sobre:DiversidadeEmpreendedorismoItaúMulheres

Mais de Negócios

Volume de negociação com bitcoin atinge maior patamar em dois anos. Veja quem lidera

Esse carioca criou um banco no WhatsApp — que acabou de nascer, mas já movimentou R$ 13 milhões

Mercado de bubble tea dá origem a bilionários na China

Cartão de crédito consignado: o que é, como funciona e quem pode contratar

Mais na Exame