Negócios

Iberdrola não conseguirá consolidar negócios no Brasil

A companhia espanhola divulgou também nesta quarta-feira que encerrou o primeiro trimestre com queda de 14 por cento no lucro líquido, para 878,6 milhões de euros


	O grupo Iberdrola possui 100 por cento da Elektro e cerca de 40 por cento da Neoenergia e sua intenção era promover uma operação com os sócios da companhia, o Banco do Brasil e a Previ
 (Cristina Arias/Getty Images)

O grupo Iberdrola possui 100 por cento da Elektro e cerca de 40 por cento da Neoenergia e sua intenção era promover uma operação com os sócios da companhia, o Banco do Brasil e a Previ (Cristina Arias/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 24 de abril de 2013 às 07h53.

Madri - A companhia de energia elétrica espanhola Iberdrola não será capaz de consolidar seus negócios no Brasil como havia previsto após suspensão de conversas para uma eventual fusão da Elektro e Neoenergia.

"Não há negociações com a Neoenergia (...) se não houver mudanças nas normas contábeis, não poderemos consolidar a Neoenergia no ano que vem", disse o presidente da Iberdrola, Ignacio Sánchez Galán, a analistas de mercado.

O grupo Iberdrola possui 100 por cento da Elektro e cerca de 40 por cento da Neoenergia e sua intenção era promover uma operação com os sócios da companhia, o Banco do Brasil e a Previ, para poder consolidar a participação na matriz.

A Iberdrola leva mais de dois anos nesse processo e deu mandados a bancos de investimento para levar a cabo várias operações no Brasil que, até o momento, não tiveram sucesso.

A companhia espanhola divulgou também nesta quarta-feira que encerrou o primeiro trimestre com queda de 14 por cento no lucro líquido, para 878,6 milhões de euros. Analistas estimavam ganho de 872 milhões de euros, segundo pesquisa da Reuters.

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas espanholasIberdrola

Mais de Negócios

Um acordo de R$ 110 milhões em Bauru: sócios da Ikatec compram participação em empresa de tecnologia

Por que uma rede de ursinho de pelúcia decidiu investir R$ 100 milhões num hotel temático em Gramado

Di Santinni compra marca gaúcha de calçados por R$ 36 milhões

Para se recuperar, empresas do maior hub de inovação do RS precisam de R$ 155 milhões em empréstimos

Mais na Exame