Negócios

Herchcovitch deixa grife após 23 anos

Agora, com seu desligamento, ele não poderá usar o nome da marca nem o seu


	Alexandre Herchcovitch: agora, com seu desligamento, ele não poderá usar o nome da marca nem o seu
 (Abril/J. Egberto)

Alexandre Herchcovitch: agora, com seu desligamento, ele não poderá usar o nome da marca nem o seu (Abril/J. Egberto)

DR

Da Redação

Publicado em 24 de fevereiro de 2016 às 12h46.

São Paulo - O estilista Alexandre Herchcovitch anunciou nessa terça, 23, sua saída da direção criativa da marca que leva seu nome, criada há 23 anos.

O desfile da Herchcovitch; Alexandre na última São Paulo Fashion Week, em outubro de 2015, teve tom de despedida e, entre os fashionistas, o desligamento já era dado como certo.

Isso porque o contrato do estilista com o grupo InBrands, ao qual pertence a marca, estava para acabar e sua permanência não havia sido acertada.

Um dos maiores conglomerados de moda do país, a InBrands é dona ainda das marcas Ellus, Richards, VR, Salinas e Bobstore e da Luminosidade, empresa que realiza a SPFW.

O grupo comprou a Herchcovitch; Alexandre em 2008 e desde então detém os direitos do nome do estilista. Agora, com seu desligamento, ele não poderá usar o nome da marca nem o seu.

Os problemas com a renovação do contrato se deram por causa de uma negociação financeira, já que não se chegou a um acordo entre o proposto pelo grupo e o desejado pelo estilista.

Cogitou-se ainda a participação de Herchcovitch em projetos de outras marcas masculinas do conglomerado, o que, pelo visto, não se concretizou. Ontem, executivos da InBrands se reuniram para definir os rumos da grife.

A principal dúvida é sobre quem assumirá o lugar do criador da marca. O nome de Rodolfo Souza, atual estilista da Ellus, que já foi assistente de Herchcovitch, aparece como aposta entre os especialistas do mercado.

Não por acaso, em sua última coleção para a grife, que chega às lojas em março, Herchcovitch fez uma releitura da própria obra. As camisolas de tricoline de cashmere com seda e fitas de gorgurão, por exemplo, remetem às que ele apresentou em seu desfile de formatura há duas décadas.

A estética dark, meio underground, o fetichismo e uma série de provocações, como uma modelo com parte do rosto coberto por uma balaclava, também rememoraram a trajetória do estilista.

"Sempre tive coragem para fazer o que estava na minha cabeça. Isso ajudou a perpetuar a minha marca. Muita gente foi engolida por essa máquina que é ter que fazer desfile, que é uma exposição violenta", disse em entrevista ao Estado, em abril do ano passado.

Futuro

Herchcovitch prepara para o fim de março o lançamento do reality show Corte e Costura, do canal Fox Life, em que tem a missão de criar um look do zero para um desconhecido, em 48 horas, com equipe e orçamento enxutos.

O estilista deve se dedicar ainda ao design de produtos e parcerias, pois já possui linhas de decoração, roupas de cama e óculos, entre outras.

"Dois momentos foram cruciais na minha trajetória. Primeiro, quando decidi trabalhar com moda e depois quando entendi que posso ir além dela e ser um designer abrangente", disse na entrevista de 2015 ao jornal O Estado de S.Paulo.

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEstilistasInBrandsModa

Mais de Negócios

EXCLUSIVO: Natura prepara primeiro fundo de investimentos em startups; anúncio ocorrerá nesta semana

Essa startup quer fazer R$ 25 milhões com comida para pets que até você pode comer

Não invista em uma franquia sem antes responder a estas 4 perguntas

Conectarh discute como levar a Gestão Estratégica de Pessoas à mesa do CEO

Mais na Exame