Negócios

Helbor vê queda em vendas contratadas

Valor total passou de 357,7 milhões de reais no primeiro trimestre de 2010 para 149,9 milhões de reais em 2011

Projeto da Helbor: O valor geral de vendas total lançado no primeiro trimestre de 2011 atingiu 51,5 milhões de reais -  no mesmo período de 2010, ele foi de 451,8 milhões de reais (Divulgação)

Projeto da Helbor: O valor geral de vendas total lançado no primeiro trimestre de 2011 atingiu 51,5 milhões de reais - no mesmo período de 2010, ele foi de 451,8 milhões de reais (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 31 de janeiro de 2012 às 09h37.

São Paulo - A incorporadora residencial e comercial Helbor registrou vendas contratadas totais de 182,1 milhões de reais no primeiro trimestre de 2011 - sendo R$ 149,9 milhões a parte Helbor (82,3% das vendas totais). O valor é inferior ao do mesmo período de 2010, quando as vendas contratadas totais somaram 437,7 milhões de reais - a parte Helbor foi de 357,7 milhões de reais.

O menor volume de vendas registrados no trimestre é reflexo do baixo volume de estoque existente em 31/12/2010 e do reduzido volume de lançamentos do trimestre, segundo a empresa. Do total de vendas do trimestre, parte Helbor, 27,6% refere-se a vendas de lançamentos e 72,4% de estoque, que apresentou uma velocidade de vendas de 28,8% no trimestre. Em 2010, da parte Helbor, 59% foram vendas de lançamentos.

A velocidade de vendas medida pelo indicador VSO (vendas sobre oferta) atingiu 35,8%, patamar acima da média do setor no trimestre, segundo a empresa. “No segundo trimestre de 2011, o volume de vendas tende a crescer com a aceleração dos lançamentos e com um intenso trabalho de pré-vendas”, afirma a empresa, em comunicado ao mercado.

O VGV (valor geral de vendas) total lançado no primeiro trimestre de 2011 atingiu 51,5 milhões de reais, sendo 80% a parte Helbor. No primeiro trimestre de 2010, o VGV total lançado atingiu  451,8 milhões de reais – a parte Helbor foi de 333,8 milhões de reais.

No trimestre, a Helbor anunciou a constituição da Alden Desenvolvimento Imobiliário, em parceria com o Grupo Suzano. Isso garantirá, segundo a empresa, um banco de terrenos de longo prazo para a realização de projetos imobiliários. A estimativa inicial é que a nova empresa vai gerar 1,4 bilhão de reais de VGV potencial.

O banco de terrenos total da Helbor, sem considerar o VGV potencial da Alden, somou 5,5 bilhões de reais em 31 de marco de 2011, um crescimento de 21% em relação a 31 de dezembro de 2010.
 

Acompanhe tudo sobre:Construção civilHelborImóveisIndústriaIndústrias em geralVendas

Mais de Negócios

Anderson Silva fará última luta em solo brasileiro neste sábado; veja como acompanhar

Já reiniciou? Após mais de R$ 22 mi, startup do 'modem inteligente' começa a operar fora do país

Franquia ou um negócio próprio: qual compensa mais? Especialista tem a resposta

Como uma startup organizou uma vaquinha de R$ 76 milhões para o Rio Grande do Sul

Mais na Exame