Negócios

Grupo Colombo homologa recuperação extrajudicial

Com uma dívida de R$ 1,6 bilhão, o plano prevê quatro opções de pagamento para todas as classes de credores

Camisaria Colombo (Divulgação/Facebook oficial)

Camisaria Colombo (Divulgação/Facebook oficial)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 3 de março de 2017 às 15h46.

Última atualização em 3 de agosto de 2018 às 17h46.

São Paulo — O plano de recuperação extrajudicial do grupo Colombo, dono da rede de confecções de roupas tradicionalmente masculinas, teve seu plano de recuperação extrajudicial homologado nesta sexta-feira, 3.

Com uma dívida de R$ 1,6 bilhão, o plano prevê quatro opções de pagamento para todas as classes de credores: desconto de 30% e pagamento em 12 anos da dívida remunerada pela TR somado a 1,5% ao ano; troca por ações; troca por debêntures conversíveis com prazo inicial de cinco anos, remuneradas de acordo com lucro do Grupo Colombo; troca por debêntures não conversíveis com prazo inicial de cinco anos, remuneradas de acordo com lucro do Grupo Colombo, neste último caso para atender bancos que não podem carregar dívida conversível no balanço.

De acordo com a sentença, o plano está sendo homologado com a adesão de 68,66% dos credores, fatia essa que exclui o voto do Fundo Brasil Plural, pelo entendimento de que é parte interessada.

Entre os credores estão HSBC, agora Bradesco, com crédito de R$ 190,3 milhões, Santander (R$ 164,5 milhões) e Itaú Unibanco (R$ 150,0 milhões).

O fundo Special Situations, do Brasil Plural, tem créditos de R$ 158,3 milhões. Entre os shoppings, os maiores credores são a BR Malls, com R$ 7,5 milhões, e o Iguatemi, com R$ 760 mil.

O plano homologado estabelece ainda o enxugamento de estrutura administrativa, o aprimoramento da governança corporativa, a adequação das lojas e custo de ocupação às necessidades do mercado e adequação de estoque e de sortimentos.

Pedro Bianchi, da Felsberg Advogados, diz que este é o maior caso de recuperação extrajudicial do País. "O juiz foi sensível à vontade da maioria dos credores e ao impacto positivo que a recuperação extrajudicial pode causar para empresas que estão reorganizando seus débitos", disse ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.

O escritório Felsberg atuou como assessor jurídico no processo de recuperação, que teve o Brasil Plural como assessor financeiro. A homologação foi concedida pelo Juiz Paulo Furtado, da 2ª Vara de Recuperações e Falências de São Paulo.

Atualização (11/mar/2017) — Esta reportagem incluía, originalmente, uma foto da rede de lojas de eletrodomésticos Colombo, que não tem relação com a rede homônima de lojas de roupas masculinas. Trocamos a foto, corrigindo o erro.

Acompanhe tudo sobre:Camisaria ColomboComércioRecuperações extrajudiciais

Mais de Negócios

Com doações da Gerdau e da Vale, novo fundo mira R$ 100 milhões para ajudar a reconstruir o RS

“Sem dados não é possível fazer a comparação da energia que merecemos”, diz especialista da Globant

O plano de R$ 250 milhões da dona dos sorvetes Nestlé para ganhar a liderança do mercado no Brasil

5 tipos de embalagens de alimentos para priorizar nas compras do supermercado

Mais na Exame