Negócios

Gerdau vai distribuir 10 mil protetores faciais contra covid-19

Em parceria com o grupo Women in 3D Printing Brazil, a siderúrgica irá doar os equipamentos a profissionais de saúde

Máscara de proteção facial para profissionais de saúde (Yves Herman/Reuters)

Máscara de proteção facial para profissionais de saúde (Yves Herman/Reuters)

JE

Juliana Estigarribia

Publicado em 9 de abril de 2020 às 18h06.

Última atualização em 9 de abril de 2020 às 19h52.

A Gerdau, em parceria com o grupo Women in 3D Printing Brazil, vai produzir e distribuir 10.000 protetores faciais reutilizáveis para doação a profissionais de saúde em pelo menos seis estados do Brasil.

A iniciativa faz parte do projeto Hígia, que vem sendo coordenado pela rede de mulheres voluntárias, cujo conhecimento em impressão 3D é usado em prol de causas sociais.

Para atender à demanda, também será utilizado o método de injeção plástica, que tem uma alta capacidade de produção num curto espaço de tempo.

O Núcleo de Inovação em Materiais Avançados (Nima), da Gerdau, irá mapear as necessidades das regiões onde a companhia atua no país, acompanhar o processo de produção das máscaras e garantir sua logística de entrega, que ocorrerá a partir desta quinta-feira, 9.

Segundo Fladimir Gauto, diretor executivo da área de aços especiais da Gerdau e líder do Nima, uma das frentes de atuação do núcleo é a manufatura aditiva — impressão 3D. O modelo do protetor facial foi validado por uma equipe médica, que indicou os principais requisitos para definição do padrão ideal da haste para a cabeça e das folhas de acetato transparentes, para proteção de rosto e pescoço.

Os itens são entregues depois de saneados com água, sabão e álcool, medida que é recomendada às instituições que recebem as máscaras, antes de cada uso.

A prioridade para a distribuição é a rede pública, em especial os hospitais de referência em covid-19.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusFilantropiaGerdau

Mais de Negócios

Justiça condena Ypê por assédio eleitoral ao fazer live pró-Bolsonaro em 2022

Após venda de empresa, novo bilionário britânico vai compartilhar US$ 650 milhões com funcionários

O que levou a EMS a comprar a startup Vitamine-se

No lugar do call center, IA que cobra dívidas fecha mais de R$ 54 milhões em acordos em três meses

Mais na Exame