Negócios

Fabio Barbosa será novo presidente do Santander no Brasil

O presidente do Banco Real vai comandar também as operações do Santander com a união dos bancos no Brasil

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 23 de agosto de 2011 às 21h37.

O paulista Fabio Barbosa assumirá a presidência do banco Santander no Brasil. O anúncio oficial será realizado ainda nesta semana. A decisão coloca um ponto final às especulações sobre o destino do executivo, que presidia o banco Real, adquirido pelo espanhol Santander no final do ano passado. O colombiano Gabriel Jaramillo, presidente do Santander no Brasil desde 1999, deverá assumir a diretoria-geral do banco para a América Latina. O banco, por meio de sua assessoria de imprensa, não quis comentar.

Os rumores de que Barbosa assumiria a presidência do Santander no Brasil se intensificaram nos corredores do banco na semana passada, quando o executivo brasileiro esteve numa reunião de cúpula na sede do banco, na Espanha. Embora não tenha sido apresentado como novo presidente da operação brasileira, Barbosa esteve durante todo o tempo ao lado de Emilio Botín III, controlador e presidente mundial do Santander. A decisão final foi tomada na última sexta-feira. "Barbosa tinha um trânsito melhor entre grandes empresas em comparação ao colombiano Jaramillo e tinha mostrado um trabalho excelente à frente do banco Real", diz uma fonte próxima ao banco.

Barbosa deverá ser o primeiro brasileiro a comandar o banco no Brasil, contrariando um padrão seguido em suas operações ao redor do mundo. Em geral, o Santander substitui a cúpula dos bancos comprados por executivos de seu próprio quadro.  Antes de Jaramillo, o português Antônio Horta Osório estava no comando da operação brasileira.

Acompanhe tudo sobre:BancosEmpresasEmpresas abertasEmpresas espanholasExecutivosExecutivos brasileirosFábio BarbosaFinançasPersonalidadesSantander

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame