Negócios

Expandir será a missão de Roberto Lima na Natura

Executivo já foi presidente da Vivo e Credicard e fazia parte do conselho da empresa desde 2012


	Roberto Lima: executivo já presidiu a Credicard e Vivo antes de assumir desafio na Natura
 (LUIS FERNANDO/EXAME)

Roberto Lima: executivo já presidiu a Credicard e Vivo antes de assumir desafio na Natura (LUIS FERNANDO/EXAME)

Tatiana Vaz

Tatiana Vaz

Publicado em 19 de agosto de 2014 às 14h35.

São Paulo – Roberto Lima, novo presidente da Natura como antecipado por EXAME hoje, terá uma missão e tanto pela frente: a de ampliar os negócios da empresa sem deixar que ela perca sua identidade.

O executivo entra no lugar que era de Alessandro Carlucci, por dez anos presidente da Natura e eleito o oitavo líder de melhor reputação do país, segundo a Merco.

Se depender de sua trajetória, o desafio tem tudo para ser cumprido.

Foi sob a batuta de Lima, entre 2005 e 2011, que a Vivo (antiga Telesp Celular) ajeitou a casa depois de uma série de integrações com outras operadoras e tornou-se a maior em telefonia móvel do país.

Sua saída aconteceu pouco tempo depois da Telefônica virar a dona da Vivo, com a compra da parte da Portugal Telecom no negócio.

Lima ainda ficou no conselho da Telefônica Brasil antes de assumir, no início deste ano, o cargo de chairman no país da Publicis Groupe, um dos maiores conglomerados de mídia do mundo.

A experiência de 17 anos no comando da rede Accor no Brasil e na presidência do Grupo Credicard, de 1999 a 2005, contribuíram para isso.

Na Natura, ele também terá de lidar com a expansão de negócios pela qual a companhia passa hoje.

Nova maquiagem

Neste ano, a empresa anunciou a inclusão de itens de moda e decoração em seu portfólio, que até então contava apenas com cosméticos.

Trata-se de seguir o mesmo caminho de concorrentes como a Avon, com a oferta de mais itens nas vendas porta-a-porta.

O início das vendas pela web e dos planos de ampliação das lojas-conceito da marca, como a da Rua Oscar Freire, em São Paulo, também são prioridades, bem como a expansão internacional.

O desafio é manter toda essa nova maquiagem dentro dos preceitos éticos e sociais, que fizeram com que a empresa fosse eleita a de melhor reputação do país por dois anos seguidos.

Além de currículo, Lima tem como seu aliado o conhecimento adquirido como conselheiro de administração da empresa, nos últimos dois anos.

Resta saber se a essência da sustentabilidade empresarial exalada pela empresa desde sua criação será absorvida por ele com facilidade. 

Acompanhe tudo sobre:Alessandro CarlucciCosméticosEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasExecutivosExecutivos brasileirosgestao-de-negociosindustria-de-cosmeticosIndústrias em geralLiderançaNaturaRoberto Lima

Mais de Negócios

Esses 4 colegas da faculdade receberam R$ 10 milhões por tecnologia contra dorminhocos no trânsito

Sobra resiliência, falta comunicação: o potencial latino de atrair investimentos é debate na China

Uber vai lançar categoria exclusiva de carros híbridos e elétricos no Brasil

Buzzmonitor adquire startup e investirá R$ 10 mi para digitalizar negociação de influenciadores

Mais na Exame