Acompanhe:
seloNegócios

EUA darão à Huawei mais 90 dias para comprar de americanos, dizem fontes

Em maio, governo americano permitiu que a empresa chinesa adquirisse alguns bens, pouco depois de incluir a companhia em sua "lista negra"

Modo escuro

Continua após a publicidade
Huawei: empresa sofre sanções do governo norte-americano (Daniel Becerril/Reuters)

Huawei: empresa sofre sanções do governo norte-americano (Daniel Becerril/Reuters)

R
Reuters

Publicado em 17 de agosto de 2019 às, 13h19.

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos deve estender autorização para que a Huawei adquira produtos de fornecedores americanos para que a empresa chinesa possa atender a contratos com clientes já em vigor, afirmaram duas fontes familiarizadas com a situação.

A "licença temporária" será prorrogada em 90 dias, disseram as fontes.

O governo inicialmente permitiu que a Huawei adquirisse alguns bens norte-americanos em maio, pouco depois de vetar a companhia, em uma medida para tentar minimizar a disrupção para os seus clientes, muitos dos quis operam redes em áreas rurais dos EUA.

A extensão vai renovar acordo previsto para acabar em 19 de agosto, permitindo que a empresa chinesa possa manter redes de telecomunicação já instaladas e atualizar softwares a aparelhos da Huawei.

A situação envolvendo a licença, que se tornou um ponto chave de barganha dos EUA em suas negociações comerciais com a China, permanece fluida e a decisão de estender a moratória pode mudar antes do deadline de segunda-feira, disseram as fontes.

A expectativa é que o presidentes dos EUA, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, discutam o caso Huawei em um telefonema neste fim de semana, disse uma das fontes.

Huawei não comentou a questão e o ministério de relações exteriores chinês não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Quando o Departamento de Comércio proibiu a Huawei de comprar bens mais cedo este ano, a medida foi considerada uma escalada relevante na guerra comercial entre os dois gigantes econômicos.

O governo dos EUA vetou a Huawei alegando que a companhia chinesa está envolvida em atividades contrárias à segurança nacional ou a interesses da política externa americana.

Como exemplo, a ordem dos EUA citou um processo criminal pendente contra a empresa na Justiça federal envolvendo alegações de que a Huawei violou sanções norte-americanas contra o Irã. A Huawei alegou inocência no caso.

Ao mesmo tempo, os EUA afirmam que os smpartphones e equipamentos da Huawei podem ser usados pela China para espionar norte-americanos, alegações que a empesa têm repetidamente refutado.

A maior fabricante de equipamentos de telecomunicações do mundo ainda está proibida de comprar partes e componentes norte-americanos para produzir novos produtos sem licenças especiais.

Últimas Notícias

Ver mais
Sanções à Rússia: EUA proíbem importação de metais
Mundo

Sanções à Rússia: EUA proíbem importação de metais

Há 11 horas

EUA e países europeus emitem alerta contra viagens a Israel em meio a risco de ataque do Irã
Mundo

EUA e países europeus emitem alerta contra viagens a Israel em meio a risco de ataque do Irã

Há 12 horas

Kristalina Georgieva assume como diretora do FMI pela segunda vez
Mundo

Kristalina Georgieva assume como diretora do FMI pela segunda vez

Há 13 horas

Biden diz esperar ataque do Irã contra Israel no curto prazo
Mundo

Biden diz esperar ataque do Irã contra Israel no curto prazo

Há 13 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais