EUA bane cigarros eletrônicos da Juul por marketing a adolescentes

Marca pioneira em cigarros eletrônicos, a Juul vinha sendo alvo de escrutínio de autoridades de saúde nos últimos anos por cigarros com sabor fruta e marketing para jovens
Cigarros eletrônicos, ou "vapes": a Juul se tornou a marca mais associada ao segmento nos EUA (Danchooalex/Getty Images)
Cigarros eletrônicos, ou "vapes": a Juul se tornou a marca mais associada ao segmento nos EUA (Danchooalex/Getty Images)
Por Da RedaçãoPublicado em 23/06/2022 12:07 | Última atualização em 23/06/2022 12:30Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Autoridades de saúde dos Estados Unidos anunciaram a proibição da venda de cigarros eletrônicos da marca Juul Labs no mercado norte-americano.

A decisão foi comunicada nesta quinta-feira, 23, pela Food and Drug Administration (FDA), autoridade reguladora que concede permissões para remédios, vacinas e outros temas ligados à saúde.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

A Juul vinha sendo alvo de escrutínio da FDA e autoridades de saúde nos últimos anos por seu marketing direcionado a jovens, incluindo menores de idade.

A empresa, que se tornou uma das marcas mais conhecidas no ramo de cigarros eletrônicos (também conhecidos como "vapes"), existe desde 2015, mas ganhou popularidade sobretudo a partir de 2017.

VEJA TAMBÉM: O mundo contra os cigarros eletrônicos e a Juul

“A ação de hoje é mais um progresso no compromisso da FDA de garantir que todos os produtos de cigarro eletrônico e sistema eletrônico de entrega de nicotina atualmente sendo comercializados para os consumidores atendam aos nossos padrões de saúde pública”, disse o comissário da FDA Robert M. Califf, em comunicado à imprensa.

"A agência dedicou recursos significativos para revisar produtos das empresas que representam a maior parte do mercado dos EUA. Reconhecemos que eles [Juul] constituem uma parte significativa dos produtos disponíveis e muitos desempenharam um papel desproporcional no aumento do vaping jovem".

Na quarta-feira, 22, o jornal norte-americano The Wall Street Journal já havia reportado que, segundo fontes, a FDA estaria decidida a banir os cigarros eletrônicos da Juul.

Autoridades questionam malefícios do cigarro eletrônico

Um estudo da FDA no ano passado estimou que mais de 2 milhões de adolescentes no ensino fundamental e médio nos EUA fumavam cigarros eletrônicos.

VEJA TAMBÉM: Uso de cigarros eletrônicos entre adolescentes põe colégios em alerta

Estudos têm mostrado que os efeitos dos cigarros eletrônicos podem ser tão ou mais nocivos do que dos cigarros comuns. O Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, outra autoridade de saúde do governo norte-americano, afirma publicamente que a exposição à nicotina nos cigarros eletrônicos pode prejudicar o desenvolvimento do cérebro de jovens adultos. Os produtos, segundo a autoridade, também possuem insumos químicos que podem desencadear câncer e outros efeitos indesejados nos pulmões.

Em resposta ao escrutínio crescente, a Juul Labs já havia parado de vender cigarros eletrônicos com sabor de fruta, um de seus mais populares, em 2019. A empresa também reduziu os gastos com campanhas de marketing. Em resposta, as vendas caíram de US$ 38 bilhões para US$ 5 bilhões entre 2018 e 2021.

VEJA TAMBÉM: Estudo britânico recomenda aumento progressivo da idade legal para fumar

A empresa perdeu parte de seu espaço no mercado de cigarros eletrônicos dos EUA, e tinha antes da proibição de hoje da FDA menos de metade da fatia de mercado.

Nos últimos anos, outras empresas tradicionais de cigarros também ingressaram no mercado dos cigarros eletrônicos. A decisão da FDA é, por ora, direcionada somente à Juul, mas tende a acender o sinal de alerta em todo o setor.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.