Negócios

Esta empresa transformou chuveiro em símbolo de status no mundo do skincare — e fatura R$147 milhões

Com propriedades para o cabelo e pele, a Jolie transformou um encanamento básico num produto de bem-estar de cerca de R$ 866

Jolie: companhia já vendeu mais 200 mil itens em dois anos (Jolie Skin Co /Divulgação)

Jolie: companhia já vendeu mais 200 mil itens em dois anos (Jolie Skin Co /Divulgação)

Isabela Rovaroto
Isabela Rovaroto

Repórter de Negócios

Publicado em 3 de junho de 2024 às 06h00.

Última atualização em 3 de junho de 2024 às 11h58.

A água da torneira pode sabotar sua rotina de beleza? Talvez. Você não deve saber, mas a água do banho contém cloro e metais pesados que causam problemas como pele seca e irritada e cabelos quebradiços e ásperos.

Pensando nos impactos da água do banho nos cuidados de beleza, os americanos Ryan Babenzien e Arjan Singh fundaram a Jolie Skin Co. em dezembro de 2021. O elegante chuveiro com filtro removível filtra a água da torneira, livrando a pele e o cabelo dos produtos químicos.

A Jolie transformou um encanamento básico num produto de bem-estar de cerca de R$ 866. Segundo a empresa, o chuveiro é um "produto de beleza" que tem o poder de melhorar a acne, reduzir a queda de cabelo e resolver inúmeros outros problemas que começam com a água impura do banho.

Os obcecados por skincare estão comprando. Enquanto o mercado de cuidados capilares nos Estados Unidos se aproxima dos R$ 71,4 bilhões, a Jolie já vendeu 200 mil unidades até o momento e gerou cerca de R$ 147 milhões em receitas em 2023. No ano anterior, a receita era de R$ 21 milhões. As informações financeiras foram divulgadas pelo Wall Street Journal. 

“Queríamos que você fosse jantar na casa de alguém e usasse o banheiro e dissesse 'Ah, você tem uma Jolie”, diz Arjan Singh, cofundador de Jolie.

Os filtros da Jolie, que devem ser substituídos a cada 90 dias, que custa R$ 189, proporcionam um fluxo constante de receita recorrente: no ano passado, a empresa vendeu R$ 28.8 milhões deles.

Parte do sucesso vem do design simplificado de seu chuveiro e das instruções de instalação fáceis de seguir. Com uma chave-inglesa e fita adesiva de encanador do tamanho certo é possível instalar o chuveiro e seguir o passo a passo disponível num QR Code da companhia, que mostra uma jovem instalando sua Jolie.

Quer dicas para decolar o seu negócio? Receba informações exclusivas de empreendedorismo diretamente no seu WhatsApp. Participe já do canal Exame Empreenda

Como o negócio foi criado

A ideia de criar a marca de chuveiro veio do outro cofundador, Ryan Babenzien. Em 2019 o executivo estava com problemas de pele seca e pesquisou sobre a composição da água de torneira e seus efeitos na pele e no cabelo.

Babenzien, que já havia fundado e vendido uma empresa de tênis chamada Greats, estava em busca de um novo empreendimento. O chuveiro Jolie é conhecido por filtrar cloro, metais pesados ​​e outros contaminantes e, assim, evitar problemas de pele e cabelo. O nome é uma homenagem à esposa do fundador.

No ano passado, a campanha de marketing da companhia chamou atenção em Nova York. Caminhões imundos circularam pela cidade com a seguinte frase: “E se disséssemos que a água do seu chuveiro está mais suja do que este caminhão?”. A ação chamou a atenção de influenciadores de beleza (e os milhões de seguidores).

A disputa pelo banho

A concorrência pelo banho dos clientes está aumentando. O desafio da Jolie será se manter competitiva num mercado em expansão.

No ano passado, a Canopy, empresa de produtos de bem-estar conhecida por seus umidificadores, lançou um chuveiro filtrado que vem com fragrâncias de marca e um difusor para o chuveiro.

A Act+Acre, marca de cuidados com o couro cabeludo que vende xampus e outros tratamentos, lançou um chuveiro com filtro em fevereiro.

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:higiene-pessoal-e-belezaEstados Unidos (EUA)

Mais de Negócios

Faturamento do e-commerce tem queda de 46% no Rio Grande do Sul após tragédia das chuvas

Conheça a empresa que fatura R$ 158 milhões construindo casas em 45 dias

A startup que criou um canal para denúncias de irregularidades nos abrigos do Rio Grande do Sul

Positivo conclui compra de unidade do Grupo Algar por R$ 234 milhões e mira avançar em serviços

Mais na Exame