Negócios

Eletrobras quer ganhar todas hidrelétricas em leilão

São Paulo - A Eletrobras tem intenção de "ganhar todas" as hidrelétricas que serão ofertadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em leilão na próxima sexta-feira. A participação da estatal --que controla, entre outras, Eletronorte, Furnas e Eletrosul-- será feita em parceria com empresas privadas do setor elétrico, fundos de pensão e de investimento […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 04h11.

São Paulo - A Eletrobras tem intenção de "ganhar todas" as hidrelétricas que serão ofertadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em leilão na próxima sexta-feira.

A participação da estatal --que controla, entre outras, Eletronorte, Furnas e Eletrosul-- será feita em parceria com empresas privadas do setor elétrico, fundos de pensão e de investimento ou autoprodutoras.

"A Eletrobras vai disputar todas as hidrelétricas que serão licitadas no leilão A-5. A formação dos consórcios ainda não está fechada, mas é certo que as empresas disputarão o leilão com parceiros privados. Temos interesse em todas as usinas que serão licitadas", informou a holding à Reuters.

Além das usinas hidrelétricas de Garibaldi, Ferreira Gomes e Colíder, o governo receberá no leilão ofertas de energia de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e da energia da usina de Santo Antonio do Jari (AP).

Segundo a Aneel, irão a leilão três novos empreendimentos, localizados em diferentes regiões e com valores máximos por megawatt-hora (MWh) distintos. Como a modalidade do leilão é A-5, o início da geração está previsto para 2015.

A Usina Hidrelétrica de Garibaldi será construída no rio Canoas, nos municípios de Cerro Negro e Abdon Batista (SC). A potência instalada é de, no mínimo, 177,9 MW. O preço-teto para a usina, cujos investimentos serão de 719,3 milhões de reais, será de 133 reais por MWh.

A usina de Ferreira Gomes será construída no rio Araguari, nos municípios de Araguari e Ferreira Gomes (AP). A potência instalada mínima é de 252 MW. O preço-teto por MWh é de 83 reais, com investimentos de 810,7 milhões de reais.

A usina com mais investimentos é a Colíder. Com capacidade instalada de 300 MW, no rio Teles Pires, em Nova Canaã do Norte, Colíder e Itaúba (MT), a Aneel prevê investimentos de 1,2 bilhão de reais e preço-teto de 116 reais por MWh.


Para as PCHs, o leilão refere-se a usinas com construção autorizada ou em andamento e, assim, já haverá um ofertante de energia. Nesse caso, o preço máximo a ser pago é de 155 reais por MWh, e o ofertante pode não vender toda a energia, podendo comercializar parte no mercado livre, a preços diferentes.

No caso de Santo Antônio do Jari, usina de 300 MW, o preço-teto é de 100 reais por MWh. A Aneel não soube informar se a usina está em construção ou se apenas a autorização foi concedida.

Foco em novas usinas

O coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Nivalde de Castro, acredita que o grande foco do leilão será nas usinas hidrelétricas. "A venda de energia das pequenas usinas já têm uma dinâmica própria... Eles podem vender energia para o mercado livre sem um leilão da Aneel."

Para o consultor de energia Silvio Areco, da Andrade & Canellas, a hidrelétrica de Garibaldi será a mais concorrida. Existe expectativa de que a CPFL Energia participe da disputa. Além de ter participado do desenvolvimento do projeto, a CPFL terá em breve uma usina em funcionamento, a de Foz do Chapecó, a cerca de 250 quilômetros.

"Já existe uma logística na região e a CPFL tem distribuidora no Rio Grande do Sul", observou Areco.

Procurada pela Reuters, a CPFL Energia preferiu não comentar o assunto.

Acompanhe tudo sobre:AneelEletrobrasEmpresasEmpresas estataisEnergia elétricaEstatais brasileirasHidrelétricasHoldingsServiços

Mais de Negócios

“É função dos empresários iniciar um novo RS”, diz CEO da maior produtora de biodiesel do país

Na Prosegur, os candidatos são avaliados pela simpática Rose, a chatbot do grupo

Baré, Fruki, Coroa, Jesus: conheça os refrigerantes de guaraná que bombam pelos estados do Brasil

De gravadora a companhia aérea: conheça Richard Branson, o bilionário que inspira os donos da Cimed

Mais na Exame