Negócios

Electrolux tem lucro acima do esperado no 2º tri

Empresa afirmou em relatório que a demanda por eletrodomésticos no Brasil "continuou a se deteriorar de maneira significativa na comparação anual"


	Casa Electrolux: empresa informou ainda que aumentou preços no país para compensar a desvalorização do real e inflação elevada
 (Reprodução)

Casa Electrolux: empresa informou ainda que aumentou preços no país para compensar a desvalorização do real e inflação elevada (Reprodução)

DR

Da Redação

Publicado em 17 de julho de 2015 às 09h46.

Estocolmo - A fabricante sueca de eletrodomésticos Electrolux divulgou nesta sexta-feira resultados para o segundo trimestre que ficaram acima das expectativas do mercado e projetou crescimento nos mercados de produtos da linha branca tanto na Europa Ocidental quanto nos Estados Unidos.

O presidente-executivo, Keith McLoughlin, disse que o mercado de eletrodomésticos deve crescer entre 1 e 2 por cento na Europa neste ano e aparentava estar um pouco mais otimista sobre a América do Norte ao mencionar projeção de crescimento entre 3 e 5 por cento.

No trimestre anterior, ele havia estimado que o crescimento na América do Norte ficaria no limite mais baixo da faixa.

No leste europeu, a demanda caiu 23 por cento, como resultado da forte desaceleração na Rússia e Ucrânia, McLoughlin acrescentou. O mercado da América Latina também está desafiador, disse a companhia.

Referindo-se ao Brasil, a empresa afirmou em relatório que a demanda por eletrodomésticos no país "continuou a se deteriorar de maneira significativa na comparação anual".

A empresa informou ainda que aumentou preços no país para compensar a desvalorização do real e inflação elevada.

A companhia disse que o lucro operacional subiu para 921 milhões de coroas (107,7 milhões de dólares) ante 63 milhões no mesmo período do ano passado, acima de uma estimativa média de 760 milhões, segundo pesquisa da Reuters com analistas.

Acompanhe tudo sobre:ElectroluxEletrodomésticosEmpresasEmpresas suecasEstados Unidos (EUA)Indústria de eletrodomésticosPaíses ricos

Mais de Negócios

Os engenheiros da saúde: como essa startup quer evitar perdas financeiras nos hospitais

IBM aposta em padrões abertos para incentivar o uso em escala da IA

Como a Renova Invest se mantém entre as melhores assessorias há 5 anos

Para além da Heineken na hora do aperto: o Rappi Turbo quer virar o seu próximo mercadinho de bairro

Mais na Exame