Negócios

Samsung ganha batalha em fusão de mais de US$ 8 bi

Em uma reunião inflamada entre acionistas, investidores da construtora Samsung C&T aprovaram a aquisição da empresa pela irmã Cheil Industries


	Samsung: o fundo de hedge norte-americano Elliott Associates, com 7,1 por cento dos papéis da Samsung C&T, liderou a oposição contra o acordo
 (Getty Images)

Samsung: o fundo de hedge norte-americano Elliott Associates, com 7,1 por cento dos papéis da Samsung C&T, liderou a oposição contra o acordo (Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 17 de julho de 2015 às 09h59.

Seul - A família fundadora do grupo Samsung conquistou uma vitória estreita em uma disputa histórica, derrotando investidores ativistas que se opunham a um acordo de 8 bilhões de dólares que consolida o domínio da nova geração da família sobre o maior conglomerado sul-coreano.

Em uma reunião inflamada entre acionistas, investidores da construtora Samsung C&T aprovaram a aquisição da empresa pela irmã Cheil Industries, holding da Samsung, em uma operação toda em ações.

Com a margem necessária de dois terços dos votos para a aprovação, 69,53 por cento dos acionistas, pouco mais do que o necessário, apoiaram a transação.

O fundo de hedge norte-americano Elliott Associates, com 7,1 por cento dos papéis da Samsung C&T, liderou a oposição contra o acordo, dizendo que ele subestima o valor da empresa.

Essa visão era compartilhada por um grupo de investidores de varejo, que viram a fusão como reforço ainda maior do controle da família Lee sobre a Samsung Eletronics, passando por cima dos interesses dos investidores minoritários.

"Enquanto o acordo irá impulsionar a reestruturação da Samsung, a empresa perdeu a fé de muitos acionistas estrangeiros e minoritários," disse Kang Dong-oh, um representante por procuração em um fórum online de acionistas minoritários contrários à fusão.

Cada uma das duas companhias têm parcelas de outras companhias chave do grupo, incluindo a gigante de tecnologia Samsung Electronics. A fusão C&T-Cheil consolida as holdings do grupo em uma única entidade fortemente controlada por Jay Y.

Lee e suas duas irmãs, herdeiros do patriarca do grupo, Lee Kun-hee, que tem 73 anos e está hospitalizado desde o ano passado quando teve um ataque cardíaco.

Acompanhe tudo sobre:AçõesEmpresasEmpresas coreanasempresas-de-tecnologiaFusões e AquisiçõesIndústria eletroeletrônicaSamsung

Mais de Negócios

Uma nova zona norte: empreendimentos da Cidade Center Norte se tornam primeiros do mundo com Selo B

Novo imposto pode tornar carros mais caros – e atrasar renovação da frota, diz Anfavea

Startup simplifica cálculo de impacto ambiental das empresas

Em sete dias, Senior Sistemas faz segunda aquisição e paga R$ 29 milhões pela Hypnobox

Mais na Exame