• AALR3 R$ 19,61 -0.71
  • AAPL34 R$ 73,57 0.01
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,78 0.61
  • AERI3 R$ 3,98 -9.13
  • AESB3 R$ 10,85 1.12
  • AGRO3 R$ 31,85 0.76
  • ALPA4 R$ 21,35 -1.57
  • ALSO3 R$ 20,09 1.11
  • ALUP11 R$ 26,39 0.76
  • AMAR3 R$ 2,43 2.10
  • AMBP3 R$ 30,33 2.36
  • AMER3 R$ 23,38 -1.18
  • AMZO34 R$ 71,37 -0.22
  • ANIM3 R$ 5,73 3.24
  • ARZZ3 R$ 82,37 -0.48
  • ASAI3 R$ 15,67 1.95
  • AZUL4 R$ 22,04 3.67
  • B3SA3 R$ 11,81 1.37
  • BBAS3 R$ 36,30 2.48
  • AALR3 R$ 19,61 -0.71
  • AAPL34 R$ 73,57 0.01
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,78 0.61
  • AERI3 R$ 3,98 -9.13
  • AESB3 R$ 10,85 1.12
  • AGRO3 R$ 31,85 0.76
  • ALPA4 R$ 21,35 -1.57
  • ALSO3 R$ 20,09 1.11
  • ALUP11 R$ 26,39 0.76
  • AMAR3 R$ 2,43 2.10
  • AMBP3 R$ 30,33 2.36
  • AMER3 R$ 23,38 -1.18
  • AMZO34 R$ 71,37 -0.22
  • ANIM3 R$ 5,73 3.24
  • ARZZ3 R$ 82,37 -0.48
  • ASAI3 R$ 15,67 1.95
  • AZUL4 R$ 22,04 3.67
  • B3SA3 R$ 11,81 1.37
  • BBAS3 R$ 36,30 2.48
Abra sua conta no BTG

Eike Batista é condenado a 11 anos de prisão por crimes contra mercado

Justiça condenou Eike Batista a pagar multa de R$ 871 milhões pelos crimes de insider trading (uso de informação privilegiada) e de manipulação de mercado
 (Reuters/Ueslei Marcelino)
(Reuters/Ueslei Marcelino)
Por Agência BrasilPublicado em 12/02/2021 09:48 | Última atualização em 12/02/2021 09:48Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O empresário Eike Batista foi condenado pela 3a Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro a uma pena de 11 anos e 8 meses de prisão por crimes contra o mercado de capitais. A juíza Rosália Monteiro Figueira condenou-o ainda a pagar uma multa de R$ 871 milhões pelos crimes de insider trading (uso de informação privilegiada) e de manipulação de mercado.

Eike foi denunciado em 2014 sob a acusação de ter lucrado com a venda de ações de sua empresa OGX, através da ocultação, ao mercado, de informações negativas sobre a companhia.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o empresário teria simulado a injeção de até US$ 1 bilhão na OGX para atrair investidores, incorrendo no crime de manipulação de mercado.

Injeção de dinheiro

A injeção do dinheiro foi anunciada pela empresa, mas, segundo o MPF, o empresário sabia da inviabilidade financeira de ativos importantes da empresa e não tinha real interesse em fazer o aporte.

O MPF também acusou Eike de usar informações privilegiadas para lucrar com a venda de ações em 2013. Segundo o MPF, o empresário teria vendido as ações da OGX em um momento em que ele possuía informações que ainda não tinham sido divulgadas para o mercado.

No processo, a defesa de Eike Batista negou que o empresário tenha feito uso de informações privilegiadas ou que tenha tentado manipular o mercado.