Negócios

Dufry assina para operar vendas no Galeão (RJ) até 2020

Empresa de varejo aeroportuário Dufry informou nesta quinta-feira que assinou contrato com a RIOgaleão, concessionária do Aeroporto Internacional Tom Jobim


	Dufry: companhia disse que dobrará sua área de vendas para 8 mil metros quadrados após março de 2016
 (Divulgação)

Dufry: companhia disse que dobrará sua área de vendas para 8 mil metros quadrados após março de 2016 (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 27 de novembro de 2014 às 07h39.

São Paulo - A empresa de varejo aeroportuário Dufry informou nesta quinta-feira que assinou contrato com a RIOgaleão, concessionária do Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, para operar áreas "duty free" no local até 2020.

Em comunicado, a Dufry disse que dobrará sua área de vendas para 8 mil metros quadrados após março de 2016, com metade desse espaço no desembarque e a outra metade no embarque, oferecendo produtos como perfumes e cosméticos, bebidas e acessórios.

Atualmente, a companhia opera em 4 mil metros quadrados no aeroporto com seis lojas duty free, sendo quatro na área de embarque e duas no desembarque.

"Este contrato nos permite desenvolver ainda mais o negócio no Aeroporto do Rio de Janeiro e é um importante passo no nosso plano de desenvolvimento do varejo de viagem no Brasil", disse o presidente-executivo do Grupo Dufry, Julian Diaz. O valor do acordo não foi informado pela companhia.

Segundo maior aeroporto do país, o Aeroporto Internacional Tom Jobim é, segundo a Dufry, o principal destino no Brasil e América do Sul, tendo recebido 17 milhões de passageiros no ano passado, sendo 4 milhões de passageiros internacionais.

Responsável pela operação do aeroporto desde agosto deste ano, o consórcio RIOgaleão, formado pela Changi, de Cingapura, além de Odebrecht e Infraero, prevê investimentos de 2 bilhões de reais no aeroporto até 2016.

Acompanhe tudo sobre:AeroportosAeroportos do BrasilComércioDufryEmpresasGaleãoSetor de transporteTransportesVarejo

Mais de Negócios

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Polishop

Fernando Goldsztein: Toda a ajuda é pouca para os atingidos pelas enchentes do RS

Rodízio caro: rede de restaurantes Red Lobster pede recuperação judicial com dívida de US$ 1 bilhão

A startup que pretende usar um fundo de R$ 150 milhões para salvar negócios no Rio Grande do Sul

Mais na Exame