Depois do primeiro bilhão, Frete.com quer dominar transportes e terá R$ 300 milhões para aquisições

Unicórnio da logística anunciou nova área de M&As e planos para adquirir outras empresas nos próximos dois anos
Frete.com: unicórnio dos fretes terá R$ 300 milhões para aquisições (Michael H/Getty Images)
Frete.com: unicórnio dos fretes terá R$ 300 milhões para aquisições (Michael H/Getty Images)
M
Maria Clara DiasPublicado em 06/07/2022 às 08:00.

Prestes a completar oito meses como integrante oficial do seleto grupo de empresas com valuation na casa do bilhão de dólares, a Frete.Com, de transporte rodoviário de cargas, já definiu seu próximo passo estratégico: investir em fusões e aquisições de outras empresas. O unicórnio do setor de logística e transportes formado a partir da junção das empresas CargoX, Fretepago e Fretebras terá R$ 300 milhões destinados à compra de companhias tecnológicas do segmento até 2024.

Para avaliar os contratos mais vantajosos, a Frete.com trouxe para dentro de casa o executivo Marco Moura de Castro, consultor com experiência na área de fusões e aquisições. Castro também ficará a cargo de estrututar a recém-lançada área de M&As da companhia e liderar a comunicação e relação com investidores.

Assine a EMPREENDA e receba as informações mais relevantes sobre o ecossistema de startups do Brasil

Segundo Federico Vega, CEO da Frete.com, a companhia já tem pelo menos 20 empresas no radar. Sem definir um número exato de pequenas empresas que efetivamente podem motivar a conclusão de uma compra, ele afirma que o requisito prioritário para as aquisições será a qualidade dos times — e, é claro, o potencial tecnológico. "Temos dois anos e R$ 300 milhões para aquisições. Podemos comprar várias empresas menores com esse recurso ou apenas uma ou duas mais "caras" e também mais maduras. Vai depender da sinergia e da qualidade que elas trazem", diz.

Algumas das soluções mapeadas estão na área de segurança do caminhoneiro e rastreamento de cargas, além de fintechs e empresas capazes de facilitar o registro de documentações e outras papeladas ligadas à burocracia da operação de transportes e logística.

LEIA TAMBÉM: Na Stone, fomentar empreendedorismo é (quase) tão importante quanto as maquininhas

Em comum, todas essas companhias devem chegar ao grupo com a intenção central de melhorar o arranjo tecnológico e facilitar o dia a dia de caminhoneiros e transportadoras que atuam por intermédio da plataforma. Hoje, a empresa tem cerca de 712.000 caminhões em circulação — montante que, pelos cálculos da empresa, representa 47% de toda a frota rodoviária do país.

"O Brasil é o terceiro principal mercado de transportes no mundo e queremos trazer mais inovação. Sabemos que não vamos conseguir fazer isso sozinhos", conclui.

Do lado das adquiridas, os benefícios devem ir além do capital financeiro. Segundo Vega, a intenção é validar empresas com boas propostas, mas que ainda carecem de incentivos financeiros e estratura para crescer. “Existem empresas muito legais fazendo coisas muito legais, mas sem capital para pivotar suas operações. São empresas que podem se beneficiar da rede da Frete.com, e assim podemos trazer a inovação para dentro de casa e, ao mesmo tempo ajudar essas empresas a crescer".

Com as novas entrantes, a intenção é também expandir o time para dar conta de todo esse crescimento. Neste ano, a empresa contratou 450 pessoas. Até dezembro, pretende contratar mais 350.

Unicórnio dos fretes

A Frete.com processa algo em torno R$ 109 bilhões em transações, e atingiu recentemente a marca de R$ 2,5 trilhões em mercadoria transportada. Em novembro de 2021, alcançou o status de unicórnio ao captar R$ 1,1 bilhão liderado pelo fundo japonês SoftBank Latin Fund e pela empresa chinesa de tecnologia Tencent.