Negócios

EXCLUSIVO: depois de trazer jogo ao Brasil, NFL prepara a abertura de escritório no país

A iniciativa complementa a escolha recente de tornar o país o primeiro na América do Sul a sediar uma partida da liga

A ação faz parte da estratégia da NFL de se aproximar dos fãs locais (Mark Goldman/Getty Images)

A ação faz parte da estratégia da NFL de se aproximar dos fãs locais (Mark Goldman/Getty Images)

Marcos Bonfim
Marcos Bonfim

Repórter de Negócios

Publicado em 8 de junho de 2024 às 20h32.

Última atualização em 10 de junho de 2024 às 07h45.

A National Football League (NFL) planeja novos passos para fortalecer a relação dos brasileiros com o esporte. A liga de futebol americano está montando um time e projeta a abertura de um escritório em São Paulo ainda este ano.

O projeto foi anunciado por Gerrit Meier, vice-presidente sênior da NFL International, em um painel neste sábado, 08, do 56ª Fórum Global da Wharton. “Nós vamos abrir o escritório brasileiro da NFL este ano em conjunto com o jogo. E já temos dedicado recursos”, diz. “Muitas vezes, a conversa fica focada no jogo, mas é muito mais do que isso e nós ativamos essa relação por diferentes meios”.   

A iniciativa complementa a escolha recente da liga de tornar o país o primeiro na América do Sul a sediar uma partida. No caso, o embate entre Philadelphia Eagles e Green Bay Packers, previsto para setembro no Neo Química Arena, em São Paulo. O preço dos ingressos varia de R$ 250,00 a R$ R$ 2.520,00.

Nos últimos dois anos, a NFL intensificou o seu projeto de expansão internacional. Os jogos da liga já passaram por Londres, Inglaterra, Munique, Alemanha, e Cidade do México.

“Quando começamos a pensar sobre o próximo país, o Brasil estava no topo da lista”, diz Meier. “Isto não tem a ver com quão rico é o país ou quão grande é. O  fundamento número 1 é a base de fãs”.

No Brasil, dados consolidados mostram que a base de público que passou a acompanhar a modalidade cresceu nos últimos anos. O estudo mais recente, realizado pelo Ibope Repucom 2022, mostra que a NFL atingiu 37 milhões de torcedores, crescimento de 270% comparado ao ano de 2013.

Esses números posicionam o país como o terceiro maior em números de fãs, atrás apenas dos Estados Unidos e do vizinho México.

À EXAME, Meier disse que a liga já está em conversa com potenciais profissionais para liderar o projeto do escritório localmente. “Nós teremos pessoas locais em campo para o jogo e depois elas nos ajudarão neste próximo passo. Como fazemos em todos os outros mercados, nós aumentaremos os nossos investimentos”, afirma.

O executivo evitou cravar uma data para a abertura, assim qual será a abordagem comercial do escritório. “A nossa estratégia é definida mercado a mercado. Como já estamos em alguns países, vamos ver o que cabe aqui e também falar com os nossos parceiros locais”. 

Na Alemanha, talvez o modelo mais avançado neste processo de internacionalização, a NFL abriu o seu escritório no ano passado e tem investido em parcerias com veículos de mídia e também no incentivo à prática de flag football, um jogo semelhante ao futebol americano, para atrair o interesse de jovens e adolescentes.

Acompanhe tudo sobre:EsportesFutebol americano

Mais de Negócios

Volvo transfere fábrica de carros elétricos da China para a Bélgica

Na peleia: mesmo com a enchente, gaúcha Docile mantém planos e abre sua primeira loja de doces em SP

Ela se demitiu aos 52 anos para empreender. Hoje é uma das mulheres mais ricas dos EUA

Brasil terá convênio com Alibaba para que pequenas empresas exportem para a China, diz França

Mais na Exame