Negócios

Cuidado, Netflix: Disney lança streaming com Simpsons e Star Wars

Meta é conquistar até 90 milhões de assinantes até 2024. Netflix, líder no segmento, já tem 158 milhões

Disney: a marca fez o remake de “A Dama e o Vagabundo” especialmente para o lançamento desta terça-feira (Drew Angerer/Getty Images)

Disney: a marca fez o remake de “A Dama e o Vagabundo” especialmente para o lançamento desta terça-feira (Drew Angerer/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 12 de novembro de 2019 às 06h33.

Última atualização em 12 de novembro de 2019 às 07h25.

Colocando mais pimenta na guerra dos streamings, a gigante de conteúdo Disney lança nesta terça-feira, nos Estados Unidos, o Disney+. É um serviço de vídeo por assinatura nos moldes da concorrente Netflix e também baterá de frente com Amazon, Apple e HBO. 

Buscando um público amplo, o Disney + oferecerá uma profunda biblioteca de programas de TV e filmes da Disney, Pixar Animation, Marvel Studios, da franquia “Star Wars” e do National Geographic, além da programação original, como a nova série de “High School Musical” e um remake de “A Dama e o Vagabundo”, produzido especialmente para o lançamento desta terça-feira.

As 30 temporadas dos Simpsons, da Fox, também estarão lá. O serviço custará sete dólares por mês, menos que os 13 dólares do plano mais popular da rival Netflix, mas dois dólares a mais que a assinatura mais básica do AppleTV+, lançado no início do mês. Ainda não há data para a chegada ao Brasil. 

A meta da Disney é conquistar de 60 a 90 milhões de assinantes até 2024. A dúvida é onde o Netflix estará neste momento, uma vez que já tem 158 milhões de assinantes pelo mundo. O serviço Amazon Prime tem 105 milhões de assinantes.

Além estar enraizada na cultura e no mapa mental de boa parte do mundo, especialmente entre os estadunidenses, a Disney tem a vantagem de criar conteúdo para crianças, que assistem os mesmos filmes e programas de TV repetidamente. De olho nesse nicho e se preparando para a estreia do Disney+, em maio, a Netflix fez uma rara aquisição, a da marca de mídia infantil StoryBots. Já em julho, anunciou sete novas séries voltadas para crianças em idade pré-escolar.

Anunciado há meses, o Disney+ será lançado hoje nos Estados Unidos, Canadá e Holanda, chegando à Austrália e Nova Zelândia em 19 de novembro. Na América-Latina, o serviço deve dar as caras no próximo ano. Para além da Disney, a Netflix também ganhará um novo rival de peso ano que vem, o HBO MAX. 

Com a concorrência batendo à porta, a Netflix tem usado sua posição de destaque para investir em conteúdo próprio.  No fim do mês, por exemplo, estreia o filme O Irlandês, de Martin Scorcese, que consumiu 159 milhões de dólares. Os cheques devem seguir crescendo com o acirramento da guerra. 

Acompanhe tudo sobre:DisneyExame HojeNetflixStreaming

Mais de Negócios

Méliuz vira sócia de startup mineira para deixar o cliente cada vez mais fiél

Precavida Brasil quer expandir atuação no mercado nacional de precatórios

EXCLUSIVO: Suzano investe US$ 5 milhões em startup canadense que desenvolve hidrogel com eucalipto

Marqueteiro por trás dos copos Stanley retorna à Crocs

Mais na Exame