Acompanhe:
seloNegócios

Dr. Cannabis busca R$ 2 milhões com financiamento coletivo

Startup atua na prescrição e tratamento legal com produtos à base de cannabis no Brasil

Modo escuro

Continua após a publicidade
Dr. Cannabis: empresa faz uso de telemedicina para a prescrição de cannabis no Brasil (Uriel Sinai/Getty Images)

Dr. Cannabis: empresa faz uso de telemedicina para a prescrição de cannabis no Brasil (Uriel Sinai/Getty Images)

J
Janaína Ribeiro

Publicado em 30 de setembro de 2020 às, 18h52.

Última atualização em 30 de setembro de 2020 às, 19h23.

A plataforma de crowdfunding SMU está liderando a segunda rodada de captação de investimentos para a Dr. Cannabis — empresa voltada para o acesso a produtos à base de cannabis no Brasil. O objetivo é angariar 2 milhões de reais até os próximos 15 dias. Os investimentos começam na casa dos 5.000 reais, e aos investidores, será concedido 25% de desconto no valuation futuro da empresa.

O contrato de investimento coletivo tem a opção de conversão em participação na companhia no prazo de três anos.

De acordo com estudo da The New Frontier Data, a estimativa é que o Brasil alcance o número de 3,4 milhões de pacientes por ano, podendo gerar um negócio de 4,3 bilhões de reais anualmente.

A empresa, que é pioneira no uso de telemedicina para a prescrição de cannabis no Brasil, conta com 3.000 médicos e 20.000 pacientes. Agora, se prepara para lançar ferramentas de apoio à prescrição médica de cannabis com inteligência artificial.

Segundo a CEO da Dr. Cannabis, Viviane Sedola, a empresa pode faturar até 128 milhões de reais como canal de propaganda médica para a indústria de cannabis, além de funcionar como ferramenta de educação para a indústria.

Regulamentação

Em dezembro do ano passado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou a regulamentação do registro e da venda de medicamentos à base de cannabis (maconha) em farmácias e drogarias no Brasil. A diretoria da agência decidiu vetar, porém o plantio da erva em território nacional para fins científicos e medicinais.

Em abril, houve o primeiro registro pela Anvisa. Trata-se de um fitofármaco que possui canabidiol e concentração inferior a 0,2% de THC, substância com efeitos psicotrópicos. O produto pode ser vendido nas farmácias, desde que haja prescrição médica. A Anvisa afirma que o fármaco será usado para casos em que não haja alternativa terapêutica, mas não especificou quais doenças seriam beneficiadas.

Últimas Notícias

Ver mais
Cerca de 70% dos brasileiros não conhecem o potencial de gravidade da gripe, diz pesquisa
Brasil

Cerca de 70% dos brasileiros não conhecem o potencial de gravidade da gripe, diz pesquisa

Há 14 horas

Lexter.ai capta R$ 16 milhões para popularizar uso de IA nos escritórios de advocacia
seloNegócios

Lexter.ai capta R$ 16 milhões para popularizar uso de IA nos escritórios de advocacia

Há 22 horas

Programa vai impulsionar startups que promovem soluções sustentáveis para gestão de condomínios
Um conteúdo Bússola

Programa vai impulsionar startups que promovem soluções sustentáveis para gestão de condomínios

Há um dia

Inteligência artificial contra a dengue: Como a Mapzer usa IA para encontrar focos de Aedes aegypti
Inteligência Artificial

Inteligência artificial contra a dengue: Como a Mapzer usa IA para encontrar focos de Aedes aegypti

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais