Negócios

Credit Suisse vai terceirizar empregos de TI

Uma porta-voz disse que os atuais contratos e salários da equipe afetada serão honrados pelos próximos 12 meses

Credit Suisse: o banco já cumpriu cerca de dois terços de seu programa de redução de 1.600 funcionários até o final de 2018 (Fabrice Coffrini/AFP)

Credit Suisse: o banco já cumpriu cerca de dois terços de seu programa de redução de 1.600 funcionários até o final de 2018 (Fabrice Coffrini/AFP)

R

Reuters

Publicado em 4 de julho de 2017 às 16h57.

Zurique - O Credit Suisse comunicou a 58 de seus funcionários de TI que eles serão transferidos para a empresa indiana de serviços de informática HCL Technologies, uma vez que o segundo maior banco da Suíça avança com a sua política de corte de custos.

Uma porta-voz disse nesta terça-feira que os atuais contratos e salários da equipe afetada serão honrados pelos próximos 12 meses, e as posições permaneceriam em Zurique.

Os funcionários que não assinarem novos contratos com a HCL deixarão a companhia, adicionou a representante.

O Credit Suisse, que emprega 17.020 pessoas na Suíça, já cumpriu cerca de dois terços de seu programa de redução de 1.600 funcionários até o final de 2018, disse o banco.

O banco também planeja cortar cerca de 1.500 empregos em Londres até o final do próximo ano, segundo uma pessoa familiarizada com o assunto, como parte dos esforços para redução de custos globais.

No ano passado, o Credit Suisse, com sede em Zurique, prometeu cortar mais 1 bilhão de francos suíços (1 bilhão de dólares) em custos, com a instituição reagindo a um mercado desafiador que torna mais difícil para os bancos ganhar dinheiro.

O banco pretende reduzir em 5.500 a sua força de trabalho global de 46.640 funcionários até o final de 2017.

Acompanhe tudo sobre:Credit SuisseDemissõesTecnologia da informaçãoTerceirização

Mais de Negócios

A empresa inglesa que inventou a retroescavadeira vai investir R$ 500 milhões no Brasil — veja onde

Fórmula secreta? Como a Disney reinventou sua gestão financeira para continuar no topo

Depois de faturar R$ 300 milhões no Brasil, a Asper quer combater crimes digitais nos Estados Unidos

Em masterclass gratuita, Marcelo Cherto ensina o passo a passo para abrir uma franquia de sucesso

Mais na Exame