Negócios

Contra crise, varejista Tesco corta custos e vende ativos

Companhia disse que reduzirá seus investimentos no próximo ano para 1 bilhão de libras (1,5 bilhão de dólares) e cortará custos anuais em 250 milhões de libras


	Tesco: companhia disse que reduzirá seus investimentos no próximo ano para 1 bilhão de libras (1,5 bilhão de dólares)
 (Andrew Yates/AFP)

Tesco: companhia disse que reduzirá seus investimentos no próximo ano para 1 bilhão de libras (1,5 bilhão de dólares) (Andrew Yates/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 8 de janeiro de 2015 às 08h14.

Londres - A maior companhia supermercadista britânica, a Tesco, planeja cortar centenas de milhares de libras em custos e vender ativos para permitir preços mais baixos em resposta à maior crise em seus 95 anos.

Buscando se recuperar de quatro alertas de lucro e um escândalo contábil, o novo chefe da Tesco, Dave Lewis, revelou a estratégia em um comunicado.

Com o déficit da companhia com aposentadorias e o crescimento dos níveis de dívida, a Tesco disse que reduzirá seus investimentos no próximo ano para 1 bilhão de libras (1,5 bilhão de dólares), ante os 2,1 bilhões de dólares esperados neste ano, e cortará custos anuais em 250 milhões de libras.

Ela também explorará a venda do negócio de dados Dunnhumby que alimenta seu projeto de cartões de fidelidade de clientes, próximo à sua sede, não pagar um dividendo final e fazer consultas sobre um plano de encerrar seu esquema de benefícios de aposentadoria atualmente definido para todos os trabalhadores.

Acompanhe tudo sobre:Crises em empresasEmpresasEmpresas inglesasEuropaPaíses ricosReino UnidoSupermercadosTesco

Mais de Negócios

Gerdau reafirma plano de investimentos e otimização de sua operação no Brasil

O Brasil é um oceano vermelho para fintechs, mas atraiu essa startup do cazaquistão. Por quê?

A startup gaúcha que criou um aplicativo para ajudar os donos de pets a encontrar seus bichinhos

Temu: quem é a rival da Amazon nos EUA que acaba de ser autorizada a atuar no Brasil

Mais na Exame