Conheça a história da Olga Ri, foodtech de saladas que fatura R$ 21 milhões

Fundada em 2016 com R$ 30 mil, delivery de saladas conta com quase 200 funcionários e atende mais de 10 mil clientes todos os meses
Beatriz Samara e Bruno e Cristina Sindicic fundaram a Olga Ri em 2016 (Olga Ri/Divulgação)
Beatriz Samara e Bruno e Cristina Sindicic fundaram a Olga Ri em 2016 (Olga Ri/Divulgação)
I
Isabela RovarotoPublicado em 28/07/2022 às 08:00.

Da arquitetura para o delivery de saladas. Essa foi a transição de carreira que Beatriz Samara e Cristina Sindicic fizeram para criar seu próprio negócio em 2016. O Olga Ri, que na época se chamada Casa Buon Gusto, nasceu após um convite do irmão de Cristina, Bruno Sindicic. Com R$ 10 mil de cada sócio e uma cozinha na Vila Olímpia da mãe dos irmãos Sindicic, eles começaram a preparar e vender saladas para amigos que trabalhavam no mercado financeiro.

“A gente nunca tinha visto de perto alguém fazer transição de carreira. Nós não tínhamos referências. A nossa inocência nos permitiu chegar até aqui. Nós tínhamos medo, mas nos apoiávamos muito", conta Cristina Sindicic. "A gente sempre pensava no dia seguinte e em como vender a melhor salada", completa.

Assine a newsletter EMPREENDA, a nova newsletter semanal da EXAME para quem faz acontecer nas empresas brasileiras

Beatriz e Cristina se conheceram no trabalho e moraram juntas durante um intercâmbio na Espanha. Elas se encarregavam de todas as tarefas do empreendimento, como criação do cardápio, atendimento ao cliente, gerenciamento de entregas e compra de ingredientes com fornecedores. No início, cerca de dez saladas eram vendidas por dia.

Até 2018, o delivery de saladas cresceu com uma equipe enxuta e com a divulgação dos feita pelos próprios clientes. Naquele ano, a Olga Ri recebeu sua primeira rodada de investimentos liderada pela Kaszek. "Esse momento marcou a transição de um negócio amador para uma empresa de fato. Nós formamos equipes e desenvolvemos nossa área de tecnologia", conta Sindicic.

Hoje, Cristina Sindicic ocupa o cargo de CCO e é responsável pela comunicação da empresa; Beatriz Samara é CPO e toca as áreas de produto e funcionários; e Bruno Sindicic é o CEO da Olga Ri.

Com um portfólio de produtos com saladas, bowls e sopas, a Olga Riatende mais de 10 mil clientes todos os meses e faturou cerca de R$ 21 milhões no ano passado. O ticket médio é R$ 65. A startup conta quase 200 funcionários e com cinco dark kitchens em São Paulo, na Vila Olímpia, Jardins, Mooca, Lapa e Santana.

(Olga Ri/Divulgação)

Outras duas rodadas de investimento foram lideradas pela Kaszek, a última de R$ 30 milhões em abril deste ano. Entre os planos da foodtech para os próximos dois anos estão inaugurar uma cozinha no Rio de Janeiro, triplicar o número de dark kitchens em São Paulo e abrir pelo menos cinco restaurantes físicos nas duas cidades.

“A abertura em novas cidades e de novos formatos traz desafios. Queremos continuar desenvolvendo uma cadeia de fornecimento sustentável e adaptar nosso cardápio a cada cidade em que operamos", diz Beatriz Samara.

VEJA TAMBÉM: 

Faturamento das PMEs deve desacelerar em 2023, mostra Iode-PMEs

Startup Tul, a 'Amazon dos materiais de construção', inicia operações no Brasil

Salário dos CEOs brasileiros ultrapassou R$ 1,1 bilhão em 2021; veja ranking

Movimentação financeira das PMEs caiu 4,4% em junho, mostra IODE-PMEs