Negócios

Como o cacau pode fazer muito mais do que chocolate

O cultivo dessa matéria-prima gera aproximadamente 700.000 toneladas de resíduos anualmente, e apenas os grãos são colhidos para produzir massa de cacau, manteiga, pó e chocolate

Projeto "From Bean to Bar", no Vietnã, introduz práticas de economia regenerativa e circular para 3.500 agricultores de cacau.  (Bean to Bar Vietnam/Divulgação)

Projeto "From Bean to Bar", no Vietnã, introduz práticas de economia regenerativa e circular para 3.500 agricultores de cacau. (Bean to Bar Vietnam/Divulgação)

EXAME Solutions
EXAME Solutions

EXAME Solutions

Publicado em 18 de abril de 2024 às 13h54.

No processo de produção de chocolate, cerca de 75% da vagem do cacau é descartada durante o cultivo, a colheita e o consumo dos grãos do cacau.

Especialistas da organização sem fins lucrativos World Resources Institute (WRI) afirmam, no entanto, que se partes como a casca e a polpa fossem recolhidas e geridas de forma adequada, poderiam ser usadas como subprodutos.

Dessa forma, ao introduzir as práticas de uma economia circular para o cacau, os subprodutos poderiam ajudar a aumentar os rendimentos dos agricultores, revitalizar paisagens degradadas, fornecer alimentos e até produzir energia limpa.

Subprodutos das cascas da vagem do cacau

As cascas de vagem de cacau, por exemplo, podem ser reaproveitadas como fonte alternativa de alimentação animal - após processamento para remover uma toxina prejudicial. Isso forneceria uma opção sustentável e nutritiva para o gado, afirmam os especialistas do WRI.

Além disso, as cascas da vagem poderiam ser convertidas em biochar – uma substância obtida quando alguns tipos de resíduos orgânicos são aquecidos a temperaturas extremamente altas sem oxigênio e se transformam em um material semelhante ao carvão, que então forma um composto potente.

Esse composto feito a partir das cascas de vagem de cacau poderia ajudar a melhorar a qualidade do solo adicionando matéria orgânica e aprimorando a estrutura da terra, promovendo um crescimento de culturas mais saudáveis.

As cascas de vagem também poderiam ser usadas como biomassa para produção de eletricidade, oferecendo uma fonte de energia renovável e reduzindo a dependência de combustíveis fósseis.

Pesquisas têm sido conduzidas sobre o uso de cascas de vagem de cacau para gerar energia elétrica em Uganda. Até o momento concluiu-se que o uso de resíduos agrícolas para geração de energia é mais adequado em áreas rurais de cultivo, onde matérias-primas livres de poluição estão prontamente disponíveis em grandes quantidades. O potencial para escalar essa inovação é significativo nos países produtores de cacau, afirma o WRI, e poderia ajudar a melhorar o acesso à eletricidade.

Subprodutos da polpa do cacau

Como os agricultores de cacau sabem bem, a polpa de cacau extraída das vagens de cacau durante a fermentação resulta em uma bebida saborosa e doce. Rica em nutrientes, a polpa de cacau pode ser usada na produção de bebidas e alimentos. A polpa já tem sido comercializada por diversas empresas especializadas em bebidas à base de polpa de cacau.

Subprodutos das cascas do grão do cacau

As cascas de feijão de cacau, outro subproduto do processamento de cacau, também têm potenciais usos produtivos. Essas cascas podem ser moídas para produzir farinha de cacau para uso em culinária e panificação. A farinha de cacau é rica em teobromina, fibras dietéticas, minerais, vitaminas e antioxidantes, o que a torna uma opção saudável e sem glúten em relação à farinha tradicional.

As cascas de feijão também podem ser usadas como cobertura morta em jardinagem e paisagismo, ajudando a suprimir ervas daninhas e reter a umidade do solo. Além disso, o biochar das cascas de feijão pode ser usado como adubo natural.

Impacto na natureza

A natureza também se beneficia com o reaproveitamento dos subprodutos do cacau. Remover vagens descartadas do solo preserva a fertilidade do solo e permite que os agricultores ajudem a minimizar a acidificação da terra e a depleção de nutrientes, promovendo ecossistemas de solo mais saudáveis.

Isso, por sua vez, promove maiores rendimentos nas plantas de cacau, para que os agricultores não precisem desmatar terras adicionais ou florestas para plantar mais culturas.

Além disso, ao utilizar subprodutos como alternativas a fertilizantes químicos e pesticidas, os agricultores podem reduzir sua pegada ambiental e promover práticas agrícolas sustentáveis.

Produção global de cacau

O potencial é imenso, visto que a produção de cacau supera US$ 14 bilhões globalmente, segundo dados do IRB Trends and Reports referente a 2022. Em 2028, essa cifra deve chegar a US$ 18,8 bilhões.

Hoje, os maiores produtores de cacau do mundo são Costa do Marfim e Gana, na África Ocidental. Juntos, respondem por aproximadamente 60% da produção mundial.

O Brasil é o sexto maior produtor global de cacau, com uma produção que supera 200 mil toneladas por ano, segundo informações do Ministério da Agricultura. São cerca de 600 mil hectares cultivados de cacau, principalmente no Pará e na Bahia, e 75 mil produtores envolvidos, sendo 60% de agricultura familiar.

No mundo todo, aliás, os pequenos agricultores compõem a maioria dos produtores de cacau. Globalmente, na média, estima-se que tais produtores vivam com uma renda estimada de US$ 2 por dia, segundo avaliação do WRI.

Desperdício no cultivo de cacau

Da forma como a produção é feita atualmente, a indústria do cacau gera aproximadamente 700.000 toneladas de resíduos anualmente, e apenas os grãos são colhidos para produzir massa de cacau, manteiga, pó e chocolate.

Atualmente, a maior parte da vagem de cacau não é utilizada e é deixada para se decompor no solo, o que danifica o solo fértil à medida que se degrada.

A cadeia de valor do cacau tem impulsionado o desmatamento em quase todos os países onde o cacau é produzido, pois as florestas tropicais são derrubadas para dar lugar a plantações de monoculturas. Ambientalistas dizem que se o desmatamento continuar sem impedimento, a Costa do Marfim corre o risco de perder toda sua cobertura florestal até 2034.

Barreiras para adoção da economia circular

Apesar dos muitos benefícios da reutilização dos subprodutos do cacau, existem significativas barreiras para sua adoção generalizada e escalabilidade.

Um grande desafio, pontua o WRI, é a falta de infraestrutura e acesso à tecnologia para coletar e processar resíduos de cacau. Muitas regiões produtoras de cacau carecem das instalações e equipamentos necessários para coletar, armazenar e processar de forma eficiente os produtos residuais, como as cascas de vagem, a polpa e as cascas do grão.

Barreiras financeiras também impedem a ampliação de iniciativas circulares. Os pequenos agricultores muitas vezes não têm os recursos necessários para investir nos equipamentos necessários, como para produzir biochar.

Outro desafio é coordenar esforços para reutilizar de forma produtiva os subprodutos do cacau e incorporá-los às cadeias de abastecimento existentes, o que requer colaboração e cooperação que podem ser difíceis de alcançar.

Boas práticas na indústria do cacau

Algumas iniciativas pontuais já mostram que é possível o reaproveitamento de subprodutos do cacau.

É o caso do projeto "From Bean to Bar", no Vietnã. A iniciativa financiada pela União Europeia introduz práticas de economia regenerativa e circular para 3.500 agricultores de cacau, 500 funcionários de fazendas e outras empresas relacionadas ao cacau.

Outro projeto promissor é o de produção de eletricidade por biomassa na Costa do Marfim. Lá, uma usina de energia de biomassa utiliza resíduos de vagens de cacau. A região possui 1,8 milhão de toneladas de vagens não utilizadas, e utilizando 400.000 toneladas de vagens por ano, a usina de energia fornecerá cerca de 500 GWh de energia limpa durante todo o ano.

Acompanhe tudo sobre:Alimentando o Planetabranded-content

Mais de Negócios

Para além do marombeiro: rede de academias do Nordeste faz R$ 300 milhões "brigando contra o sofá"

Problemas complexos estão travando a sua empresa? Veja 5 dicas para gerenciá-los

Ele vendia trufas e hoje fatura R$ 80 milhões com a maior rede de pilates da América Latina

Ronaldo pode vender clube espanhol por um quarto do valor embolsado com o Cruzeiro

Mais na Exame