Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Como Musk ganhou seu primeiro dólar — e como gasta seus US$ 288 bilhões

Apesar de ter perdido US$ 50 bilhões em apenas dois dias, o CEO da Tesla continua sendo a pessoa mais rica do mundo

O fundador e CEO da Tesla, Elon Musk, perdeu mais de US$ 50 bilhões em apenas dois dias. Mesmo assim, ele continua sendo a pessoa mais rica do mundo, com uma fortuna avaliada em US$ 288 bilhões. O site Business Insider compilou os momentos mais marcantes em que Musk fez dinheiro — e gastou ele.

Décadas antes de se tornar pai de seis filhos e acumular uma fortuna de US$ 288 bilhões, Musk aprendeu programação sozinho quando era criança na África do Sul. Aos 12 anos, ele vendeu o código-fonte de seu primeiro videogame por US$ 500. Pouco antes de seu aniversário de 18 anos, Musk mudou-se para o Canadá e trabalhou em uma série de trabalhos braçais, incluindo escavar grãos, cortar toras e até limpar a sala da caldeira em uma serraria por US$ 18 a hora — um salário um tanto quanto alto em 1989.

Musk teve um corte de salário para US$ 14 a hora quando começou um estágio de verão ao lado de seu irmão, Kimbal, no Bank of Nova Scotia, depois de fazer uma ligação não solicitada a um alto executivo do banco.

  • Pensando em mudar de carreira? Invista na sua carreira com o maior portal de negócios. Assine a EXAME.

Em seu primeiro ano na Queens University em 1990, Musk começou a vender peças de computador e PCs completos para outros alunos. "Eu poderia construir algo que atendesse às necessidades deles, como uma máquina de jogos adaptada ou um processador de texto simples que custasse menos do que se conseguiria em uma loja", afirma Musk. Em dois anos, Musk foi transferido para a Universidade da Pensilvânia com uma bolsa parcial de estudo.

Para cobrir o resto de sua mensalidade, Musk e um amigo transformavam sua casa em um bar clandestino nos fins de semana, cobrando US$ 5 na porta. "Eu estava pagando do meu bolso o restante da mensalidade e podia ganhar o aluguel de um mês inteiro em uma noite", disse Musk.

Musk se formou em física e em economia pela Wharton School e mudou-se para Stanford para fazer seu doutorado. Ele deixou o programa em poucos dias para construir uma startup com seu irmão. Eles criaram o Zip2, um software de guia da cidade para jornais, com US$ 28.000 em capital inicial 'emprestado' pelo seu pai.

Quatro anos depois, em 1999, eles venderam o Zip2 por US$ 307 milhões. Na venda, Musk ficou com US$ 22 milhões. Ele investiu mais da metade de seus ganhos no cofundador do X.com, um serviço de pagamentos online. A empresa rapidamente se fundiu com sua rival e tornou-se PayPal, com Musk como acionista majoritário. Em 2002, o eBay comprou o PayPal e Musk saiu com US$ 180 milhões.

PayPal: Nova parceria no Brasil é com a Netshoes

 (Joe Raedle/Getty Images)

Musk voltou sua atenção para sua — até então nova — empresa de exploração espacial, a SpaceX, após deixar o PayPal. Poucos anos depois, ele foi cofundador da Tesla, fabricante de carros elétricos, e da SolarCity, fornecedora de sistemas de energia solar. O sucesso dessas empresas acabou lançando-o no seleto clube dos bilionários — mas não antes de ele ir à falência.

No final de 2008, Musk se divorciou de sua primeira esposa e isso mexeu com suas finanças. Um ano depois, Musk disse que "ficou sem dinheiro" e estava vivendo de empréstimos de amigos enquanto tentava manter suas empresas funcionando. Mas, quando a Tesla estreou na bolsa de valores em 2010, a fortuna de Musk disparou. Em 2012, ele apareceu na lista dos mais ricos da Forbes pela primeira vez, com um patrimônio líquido de US$ 2 bilhões.

Quase uma década depois, Musk acumulou uma fortuna de US$ 288 bilhões — que não é muito 'líquida'. Surpreendentemente, Musk ganhou seus bilhões sem nunca receber um salário da Tesla, porque ele se recusa a receber salário. Tanto que, em 2020, a Tesla reduziu seu salário a zero.

A complicada estrutura salarial de Musk significa que ele recebe opções de ações quando Tesla atinge métricas de desempenho desafiadoras. Quando Tesla se sai bem, a riqueza de Musk dispara. Mas Musk disse a si mesmo que tem pouco dinheiro. "Algumas pessoas acham que tenho muito dinheiro", disse Musk à investidora Cathie Wood em um podcast no ano passado. "Na verdade, não." Como muitos outros executivos de alto escalão, Musk depende de hipotecas e crédito no dia a dia.

Ao longo dos anos, o CEO comprou mais de US$ 100 milhões em propriedades residenciais na Califórnia. Desde então, ele se desfez de grande parte de seus imóveis, depois de prometer vender tudo e "não ter uma casa" no ano passado. Como CEO de uma das mais promissoras montadoras de automóveis do mundo, não é surpresa que Musk tenha afinidade com carros. Em 2013, ele pagou US$ 920.000 em um leilão pelo carro submarino Lotus Esprit usado em um filme de James Bond.

Além de dirigir Teslas, Musk possuiu alguns carros movidos a gasolina, incluindo um Ford Modelo T, um Jaguar E-Type Série 1 Roadster, um McLaren F1, um Audi Q7, um Hamann BMW M5 e um Porsche 911.

Apesar de ter dinheiro de sobra, Musk não é fã de férias luxuosas — e nem de qualquer tipo de férias. Em 2015, ele disse que tirou apenas duas semanas de folga desde a fundação da SpaceX cerca de 12 anos atrás.

Musk tem cinco filhos com sua primeira esposa, Justine Musk. Em um tweet de 2014, Musk disse que leva as crianças para um acampamento anual. "Sou um pai muito bom", disse ele. "Eu tenho os filhos por um pouco mais da metade da semana e passo um bom tempo com eles. Eu também levo eles comigo quando saio da cidade." Musk e a cantora canadense Grimes tiveram um menino em maio de 2020 chamado X Æ A-Xii Musk, porém o relacionamento chegou ao fim neste ano.

Elon Musk e Grimes Elon Musk e Grimes

Elon Musk e Grimes (Jason Kempin/Getty Images)

No final do dia, o multibilionário diz que gosta de passatempos baratos, como ouvir música, jogar videogame e ler livros. "Sair com crianças, ver amigos, coisas normais", disse ele. "Às vezes enlouqueço no Twitter. Mas geralmente envolve trabalho."

Em agosto de 2018, Musk disse ao The New York Times que começou a trabalhar 120 horas por semana. “Houve ocasiões em que não saí da fábrica por três ou quatro dias ”, afirmou. "Isso realmente custou a companhia de meus filhos e amigos." Musk disse em uma teleconferência de resultados em 2017 que ele não tem uma mesa na fábrica da Tesla: "Eu sempre mudo minha mesa para qualquer lugar. Na verdade eu nem tenho uma mesa própria. Eu me movo para onde quer que esteja o maior problema."

Musk admitiu ter passado "muitas noites" no Nevada Gigafactory da Tesla reescrevendo o software durante um sprint de produção do Modelo 3. Para uma história publicada em agosto de 2018, os repórteres do Business Insider falaram com 42 funcionários da Tesla que disseram que Musk é um visionário, mas também muito exigente. Ele chegou a afirmar em junho de 2019 que até planejava passar seu 48º aniversário no trabalho, melhorando a "logística global" da empresa.

Musk não apenas passa muito tempo na Tesla, mas também gasta muito de seu dinheiro na empresa. Nos primeiros seis meses de 2018, ele comprou mais de US$ 35 milhões em ações da companhia. Ele também investe muito tempo, energia e recursos na SpaceX. A companhia levantou bilhões para desenvolver, construir e lançar o Starlink — um projeto para cobrir a Terra com internet banda larga ultrarrápida — e construir o protótipo da Starship, um gigantesco veículo espacial reutilizável projetado para levar pessoas a Marte. A empresa foi avaliada em US$ 100 bilhões em outubro de 2021.

 (Saul Martinez/Getty Images)

Musk também comanda a The Boring Company, que fundou em 2016 para desenvolver e construir túneis subterrâneos para melhorar o trânsito. De acordo com o The New York Times, a The Boring Company arrecadou mais de US$ 112 milhões em 2018 — e mais de 90% disso veio de Musk. Em 2019, a empresa levantou financiamento externo pela primeira vez no valor de cerca de US$ 120 milhões.

Em 2012, Musk assinou o The Giving Pledge, prometendo doar a maior parte de sua riqueza durante sua vida. Ele fez doações consideráveis para diferentes causas, incluindo uma doação de US$ 10 milhões para o Instituto Futuro da Vida para regulamentar a inteligência artificial.

Musk se viu em apuros jurídicos com a SEC — espécie de CVM dos Estados Unidos — em 2018 depois de twittar que havia obtido financiamento para fechar o capital da Tesla, o que mudou o preço das ações da empresa. Musk chegou a um acordo com a agência reguladora em abril de 2019, no qual ele e Tesla concordaram em pagar uma multa de US$ 20 milhões.

O bilionário também mudou o preço das ações da Tesla em maio de 2020, fazendo com que caísse 13% após twittar "O preço das ações da Tesla está muito alto."

O patrimônio líquido de Musk disparou em 2020 em meio à pandemia, aumentando 197% entre março e agosto, de acordo com uma análise do Institute for Policy Studies. Em dezembro de 2020, Musk havia se tornado a segunda pessoa mais rica do mundo, atrás apenas do fundador da Amazon, Jeff Bezos. Poucos meses depois, Musk se tornou a pessoa mais rica do mundo e seu patrimônio líquido só cresceu desde então: no mês passado, a riqueza de Musk aumentou US$ 36 bilhões em um único dia, o maior ganho já registrado pelo Índice de Bilionários da Bloomberg.

Mas, depois que as ações da Tesla despencaram 16% nesta semana, Musk perdeu US$ 50 bilhões em apenas dois dias. O preço caiu após um tweet de Musk perguntando se ele deveria vender 10% de suas ações da Tesla. Mesmo assim, Musk continua US$ 82 bilhões mais rico que Bezos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também