Com sede em Salvador, empresários criam aceleradora de startups com foco no Nordeste

A aceleradora StartVC quer fomentar negócios e atrair mais investimentos para o ecossistema de startups no Nordeste
Na foto, os fundadores da aceleradora nordestina StartVC (StartVC/Divulgação)
Na foto, os fundadores da aceleradora nordestina StartVC (StartVC/Divulgação)
I
Isabela RovarotoPublicado em 26/09/2022 às 12:12.

O 'oceano azul' de negócios do Nordeste, ainda pouco desbravado por investidores, é a tese da aceleradora StartVC, fundada por cinco empresários da região. O objetivo é desenvolver negócios e ideias de empreendedores, além de atrair mais investimentos à comunidade nordestina de startups.

Em 2021, foi registrado um aumento de 200% no volume de investimentos nas empresas do Brasil, apesar dos impactos da pandemia, segundo relatório da WrappedBrazilian Startups. Os aportes médios saltaram para U$ 13,7 milhões contra U$ 5,5 milhões em 2020. Por outro lado, 80% das empresas estão no Sul e Sudeste do país e apenas 7% delas estão no Nordeste, apontam dados da plataforma de inteligência Sling Hub.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio!

Apostando em cultura empresarial, educação e investimentos, a StartVC começa sua operação no mês de setembro com quase 100 membros cadastrados em sua comunidade de mentores, investidores e parcerias com instituições de grande porte. Entre elas, alguns nomes de peso do mercado nacional como as plataformas de crowdfunding Bloxs e SMU, startups locais como o BigDelivery e empresas nordestinas como a Movesa.

O primeiro edital da aceleradora busca 10 startups da região. As inscrições estão abertas até a primeira quinzena de dezembro.

Além de aportes financeiros, a aceleradora oferecerá apoio contábil e jurídico, mentorias e consultorias, contato com outros empreendedores e founders de startups, apoio em negociações com parceiros e fornecedores, entre outros suportes.

“Acreditamos que a baixa representatividade de startups do Nordeste é incongruente com o potencial da população local. Então temos uma oportunidade de alavancar os empreendedores nordestinos para crescerem no âmbito nacional e internacional”, avalia o baiano Paulo Carvalho, cofundador da StartVC, e com experiência de já ter investido em mais de 100 startups pelo mundo — mas apenas uma no Nordeste.

De Maceió para o mundo: franquia de açaí fatura R$ 180 milhões e está em nove países

Ao lado de Paulo estão os empresários Daniel Dellis, João Paulo Fichman, Max Mottin, Marcos Machado, todos com experiências de trabalho diferentes e complementares ao negócio. A aceleradora também conta com parcerias com os escritórios Yucathan Tavares Contabilidade, e Escritório Ruy Andrade Advocacia Empresarial que oferecerão suporte para as startups.

Com sede em Salvador, a StartVC terá a responsabilidade de ajudar a construir a cultura do empreendedorismo no Nordeste, que ainda não é forte como em outras regiões.

“O Sul e o Sudeste já se beneficiam de tecnologias desenvolvidas por startups há anos. O mercado nordestino ainda está desamparado, apesar de sentir as mesmas dores. A demanda já existe e vamos ajudar os empresários a supri-las”, diz Carvalho.

O modelo de negócios da StartVC é inspirado nas maiores aceleradoras de negócios do mundo, como a YCombinator.

“Vamos aumentar o número de startups aceleradas a cada ano, provendo nossos serviços e alcançando mais empreendedores. Criando este ecossistema de startups no Nordeste, nosso objetivo é atrair ainda mais investimento e criar um ciclo de engajamento positivo para todos os envolvidos”, projeta o empreendedor.

Uma 'fit' do Nordeste: academia Selfit, de Pernambuco, fatura R$ 97 milhões e quer crescer 85% em 23

Empreendedora do interior da Paraíba fatura hoje R$ 100 milhões com negócio em 35 países