Negócios

Cofco Brasil deve elevar produção de etanol em 2018/19

Setor não descarta "recomprar" parte do açúcar já negociado para fazer mais biocombustível, atualmente mais rentável para as usinas

Combustível: "Vamos aumentar o mix (de etanol) em seis pontos percentuais. O de açúcar vai cair de 67 para 61 por cento", diz Mauricio Sacramento. (Marcos Santos/USP Imagens/Agência USP)

Combustível: "Vamos aumentar o mix (de etanol) em seis pontos percentuais. O de açúcar vai cair de 67 para 61 por cento", diz Mauricio Sacramento. (Marcos Santos/USP Imagens/Agência USP)

R

Reuters

Publicado em 26 de abril de 2018 às 15h21.

A Cofco Brasil deve elevar a produção de etanol na safra 2018/19 do centro-sul brasileiro, iniciada neste mês, e o setor não descarta "recomprar" parte do açúcar já negociado para fabricar ainda mais biocombustível em meio ao derretimento dos preços internacionais do adoçante SBc1, disse à Reuters nesta quinta-feira um executivo da companhia.

Subsidiária da gigante chinesa Cofco, a Cofco Brasil possui quatro usinas no Estado de São Paulo, principal produtor nacional, com capacidade instalada para processar cerca de 15 milhões de toneladas de cana por temporada.

No atual ciclo, a expectativa é operar perto da capacidade máxima, com moagem em torno de 1 milhão de toneladas maior na comparação anual, mas com maior direcionamento de matéria-prima para a produção de etanol, disse o chefe de trading de açúcar da empresa no Brasil, Mauricio Sacramento.

"Vamos aumentar o mix (de etanol) em seis pontos percentuais. O de açúcar vai cair de 67 para 61 por cento", afirmou ele no intervalo da conferência internacional de açúcar e etanol da F.O. Licht, realizada em São Paulo.

Sacramento não precisou o volume de produção de álcool na safra vigente, mas destacou que a de açúcar deve ficar praticamente estável, em cerca de 1,1 milhão de toneladas.

O executivo salientou que a Cofco Brasil fixou preços, ainda no ano passado, de praticamente 100 por cento das suas vendas de açúcar da safra 2018/19.

Desse modo, a companhia está, hoje, menos exposta à forte queda das cotações da commodity na Bolsa de Nova York, para o menor nível em vários anos.

Entretanto, a empresa monitora o desenrolar do mercado e o setor não descarta "recomprar" parte do açúcar já negociado para fazer mais etanol --o biocombustível tem se mostrado mais remunerador para as usinas, e sua demanda tem se mantido bem firme no Brasil.

"Se tiver de fazer mais etanol, vamos recomprar o açúcar", destacou Sacramento, referindo-se ao setor.

Ele não detalhou como seria feita essa recompra. Se poderia ocorrer como pagamento de uma multa para quem comprou o açúcar, com o objetivo de aproveitar mais cana para a produção do biocombustível.

Acompanhe tudo sobre:AgriculturaBiocombustíveisEtanolsao-paulo

Mais de Negócios

Família Ling cria programa de R$ 50 milhões para reconstruir RS com sociedade civil

Na corrida pelo primeiro R$ 1 bi, Sankhya anuncia sexta aquisição e prevê mais duas até o fim do ano

Brazil Summit: encontro em NY reunirá lideranças para debater perspectivas de negócios do país

Planta da JBS em Mato Grosso do Sul será a maior unidade de bovinos da América Latina

Mais na Exame