Coca-Cola muda embalagens às vésperas de divulgar resultados de 2021

Com queda na pandemia e encerramento de 200 marcas, empresa prevê recuperação para 2021

Nova embalagem: Coca-Cola mudará de visual até 2022

Nova embalagem: Coca-Cola mudará de visual até 2022 (Coca-Cola/Divulgação)

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A Coca-Cola apresentou a nova embalagem que será adotada por todos os produtos até 2022. Mais que isso, a mudança marca a nova fase da empresa, que acumulou perdas durante a pandemia da Covid-19 – esse resultado só não foi pior pelo crescimento do consumo no Brasil, na China e na Nigéria. E a companhia divulgará hoje (19) os resultados do primeiro trimestre de 2021.

De outubro a dezembro do ano passado, o grupo norte-americano perdeu 29% de lucro líquido e 5% de receita quando comparado ao mesmo período de 2019 – os números foram de 1,42 bilhão de dólares e 8,61 bilhões de dólares, respectivamente. Por outro lado, o volume de vendas aumentou 2% na América Latina. Mesmo com a queda global, as ações tiveram lucro de 0,47 de dólar.

As empresas do futuro estão aqui. Conheça os melhores investimentos em ESG na EXAME Invest Pro

Esses resultados foram melhores que a estimativa dos analistas da consultoria FactSet, que previam um aumento de 0,42 de dólar por papel da Coca-Cola. Também houve crescimento de 2,01% na cotação dos títulos da empresa no mercado futuro em Nova York. De acordo com a Reuters, a expectativa neste ano é de recuperação em torno de 10% (pouco acima do esperado para receita).

Pelas previsões da Coca-Cola, o aumento das vacinações em todo o mundo deve antecipar a reabertura de cinemas e eventos esportivos, ambos considerados essenciais para impulsionar as vendas – cerca de um terço do consumo depende de canais não-varejistas, como restaurantes, que tiveram limitações em todo o mundo. Em 2020, foi registrada queda de 9% em vendas orgânicas.

Como parte do processo de recuperação, a empresa norte-americana promoveu reestruturações no ano passado, com corte de 2.200 funcionários – sendo 1.200 só nos EUA – e encerramento de 200 marcas de refrigerantes globalmente. Entretanto, a companhia prometeu concentrar os esforços em produtos mais lucrativos, como é o caso da Coca-Cola tradicional e da linha sem açúcares.

Topo Chico: lançamento recente do grupo briga com cervejas

Topo Chico: lançamento recente do grupo briga com cervejas (João Gorri/Divulgação)

Em entrevista ao canal CNBC, o CEO global da companhia, James Quincey, diz que a linha Zero Açúcar – que, no Brasil, chama “Sem Açúcar” – teve crescimento durante a pandemia e deverá ser o produto de maior relevância no processo de recuperação nos próximos anos. Em relação às criações recentes, como Topo Chico (recém-lançada aqui), o executivo afirma que as vendas são boas.

“Embora a incerteza de curto prazo permaneça, estamos bem posicionados para sairmos mais fortes da crise”, diz Quincey em comunicado aos investidores. Neste ano, a expectativa da Coca-Cola Company é receber 12 bilhões de dólares da disputa contra o Internal Revenue Service, a receita federal dos EUA – ainda que, em novembro, a justiça norte-americana tenha dado razão ao órgão.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.