Coca-Cola vai deixar de fabricar 200 marcas de refrigerante

Com queda das vendas na pandemia, ideia é se concentrar nas bebidas principais, como a Coca Zero Açúcar. No Brasil, não há previsão de cortes

A Coca-Cola vai deixar de fabricar 200 marcas de refrigerantes, o equivalente à metade de seu portfólio. Segundo a CNN, a companhia americana já havia anunciado que não produziria mais bebidas como Tab, Zico e Odwalla, mas na quinta-feira informou que isso se estenderá a duas centenas delas. As empresas do futuro estão aqui. Conheça os melhores investimentos em ESG na EXAME Research

De acordo com o site, com a redução, a Coca-Cola pretende se concentrar nos produtos mais lucrativos – como a Coca-Cola Zero açúcar – bem como marcas que se encaixam em novas categorias, com o AHA, um seltzer com cafeína que a empresa lançou no ano passado.

Segundo a CNN, a Coca-Cola passou por momentos difíceis durante a pandemia por causa do fechamento de lanchonetes e restaurantes. No terceiro trimestre, a receita líquida caiu 9%, para US$ 8,7 bilhões.

 (EXAME Research/Exame)

No Brasil, ainda não há previsão de cortes. Procurada pelo GLOBO, a Coca-Cola disse em comunicado que “não há definições por enquanto no Brasil sobre mudanças no portfólio. Inovação é uma prioridade da empresa e do negócio, e um dos fatores que nos possibilitaram atravessar nesses últimos meses a crise provocada pela pandemia”.

Segundo a empresa no Brasil, “um aprendizado dessa crise é o de que devemos concentrar esforços nas marcas maiores e mais fortes, e ser mais assertivos no desenvolvimento de novas bebidas. Para isso, precisamos continuar inovando e nos transformando”.

O CEO global da empresa, James Quincey, não deu nomes específicos dos refrigerantes que serão cortados, mas disse que a categoria “hidratação”, deve ter mais cortes (são marcas como Dasani, Powerade, Vitamin Water). As vendas de água e bebidas esportivas despencaram 11% no terceiro trimestre.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.