Negócios

Coca-Cola aumenta lucro em 14% até setembro

Empresa de refrigerante lucrou US$ 6,075 bilhões no período; crescimento das venas no Brasil alcançou 13%

Latas de Coca-cola (Arquivo)

Latas de Coca-cola (Arquivo)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de outubro de 2010 às 12h35.

Nova York - A Coca-Cola anunciou hoje que fechou os nove primeiros meses de seu ano com lucro líquido de US$ 6,075 bilhões, 14% a mais que no mesmo período de 2009 quando ganhou US$ 5,328 bilhões.

|De julho a setembro, a maior empresa de refrigerantes do mundo, teve lucro líquido de US$ 2,067 bilhões (US$ 0,88 por ação), 8% mais que no mesmo período de 2009 quando somou US$ 1,920 bilhão (US$ 0,81 por título).

O ganho por ação neste ano para a empresa, com sede em Atlanta (Geórgia), foi de US$ 2,59 por título, frente aos US$ 2,27 de janeiro a setembro do ano passado.

Estes resultados representam o segundo trimestre consecutivo de melhoras para a empresa que anunciou hoje que espera recomprar ações próprias por US$ 2 bilhões.

A empresa indicou que na América do Norte teve crescimento do volume de vendas de 5% neste último trimestre. No negócio mundial, no entanto, o avanço foi de 6%.

No caso da América Latina, o aumento no volume de vendas de julho a setembro alcançou média de 4%, embora no Brasil tenha alcançado média de 13% e no México de 7%.

A empresa indicou que havia aumentado seu volume de vendas em bebidas com gás, assim como em sumos, as destinadas para consumir enquanto faz esporte e em água engarrafada.

Detalhou que a marca Coca-Cola cresceu 4% no terceiro trimestre do ano, com crescimentos importantes na Rússia (34%), Brasil (14%), Filipinas (12%) e Japão (9%), enquanto em outros mercados foram também positivos, porém menores, como ocorreu com a África do Sul (5%), França (3%) e Alemanha (2%).

Além disso, destacaram o crescimento na França e Espanha de uma das bebidas dessa marca, a Coca-Cola Zero.

O presidente e executivo-chefe da empresa, Muhtar Kent, assinalou que os resultados bem-sucedidos deste trimestre são conseqüência de a Coca-Cola ter completado as operações de aquisição de algumas engarrafadoras na América do Norte e a venda de outras na Noruega e Suécia.

Kent se mostrou satisfeito pela solidez dos resultados deste trimestre que disse que excedem "os objetivos de longo prazo e geram valor para nossos acionistas".

Acompanhe tudo sobre:BebidasCoca-ColaEmpresasEmpresas americanasLucroRefrigerantes

Mais de Negócios

A startup que pretende usar um fundo de R$ 150 milhões para salvar negócios no Rio Grande do Sul

Como a Amazon quer fazer pequenos e médios negócios brasileiros venderem nos Estados Unidos

Francal se transforma em ecossistema para eventos e apresenta novo hub de negócios

10 franquias baratas de limpeza para empreender a partir de R$ 27 mil

Mais na Exame