A página inicial está de cara nova Experimentar close button

China está prestes a ser o primeiro país onde o e-commerce supera as lojas físicas

Por trás dessa virada, até existe um efeito da pandemia de covid-19, mas as principais razões são o desenvolvimento tecnológico do país e a massificação da utilização de aplicativos que misturam compras com redes sociais e de grandes sites como Alibaba

A cada 100 compras feitas na China neste ano, 52 devem ser por e-commerce. O país será o primeiro em que o ambiente digital vai superar as lojas físicas, farmácias e todo o tipo de transação feita em ambientes físicos no dia a dia.

Por trás dessa virada, até existe um efeito da pandemia de covid-19, mas as principais razões são o desenvolvimento tecnológico do país e a massificação da utilização de aplicativos que misturam compras com redes sociais e de grandes sites como Alibaba.

A previsão foi feita pelo eMarketer. Nos últimos anos, a participação do comércio eletrônico saiu de 34% em 2019 e deve alcançar 58% em 2024.

Os número estão muito à frente do que é visto em quem está em segundo lugar, que é a Coreia do Sul. O país deve ter 28,9% de suas vendas online neste ano no varejo.

Nos Estados Unidos, esse número será de apenas 15%, e a média entre os países da Europa Ocidental será de 12,8%.

A China há muito tempo lidera o mundo em números agregados de vendas de comércio eletrônico e na participação do comércio eletrônico no varejo total.

No entanto, até 2018, essa participação era de apenas 29,2%, o que é relativamente próximo da participação do comércio eletrônico na Coreia do Sul e no Reino Unido neste ano.

Pinduoduo Pinduoduo: app conecta agricultores e distribuidores aos consumidores diretamente por meio de sua experiência de compra interativa

Pinduoduo: app conecta agricultores e distribuidores aos consumidores diretamente por meio de sua experiência de compra interativa (Barcroft Media/Getty Images)

As razões que explicam esse alto número de compras online na China também têm a ver com a própria história do país. Por lá, os smartphones foram popularizados no lugar de desktops e notebooks no começo dos anos 2000 e os meios de pagamentos digitais estão há alguns anos-luz à frente do ocidente.

Além disso, a grandeza do e-commerce Alibaba também garantia que os chineses encontrassem o que precisassem a poucos cliques.

O eMarketer também aponta que o frete barato e a boa infraestrutura do país faziam com que as entregas acontecessem rapidamente no começo na última década. Mesmo que a situação agora seja diferente, a facilidade das entregas na China catapultaram o desenvolvimento

Os fatores relevantes de hoje são os superapps, que misturam compras com rede social e a plataforma Pinduoduo. O app conecta agricultores e distribuidores aos consumidores diretamente por meio de sua experiência de compra interativa.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também