Acompanhe:
seloNegócios

CCX diz que errou ao informar que Eike era engenheiro

Desde que prisão preventiva de Eike Batista foi decretada até ele ser detido na segunda-feira (30), um frisson em torno de sua escolaridade se formou

Modo escuro

Continua após a publicidade
Eike Batista: sem formação superior, empresário não tem direito a cela especial (foto/Reuters)

Eike Batista: sem formação superior, empresário não tem direito a cela especial (foto/Reuters)

L
Luísa Melo

Publicado em 2 de fevereiro de 2017 às, 18h25.

São Paulo - Desde que prisão preventiva de Eike Batista foi decretada até ele ser detido na segunda-feira (30), um frisson em torno de sua escolaridade se formou.

Sem curso superior, o empresário não teria direito a uma cela especial  – o que acabou se confirmando. Porém, parece que nem mesmo as empresas do ex-bilionário sabiam ao certo se ele tinha um ou não um diploma.

A CCX, companhia de mineração de carvão da qual Eike ainda detém 56,22% das ações, comunicou ao mercado na quarta-feira (1) que, diferentemente do que seu formulário de referência informava, ele não é engenheiro.

O esclarecimento veio depois que a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) contestou a firma.

"A companhia consultou imediata e formalmente os assessores diretos do Sr. Eike Batista sobre o tema, os quais confirmaram que o Sr. Eike Batista efetivamente cursou engenharia metalúrgica pela Universidade de Aachen, Alemanha, mas não chegou a completar a graduação", dizia o comunicado.

A CCX disse ainda que corrigiria o equívoco no documento e que "em nenhum momento buscou induzir qualquer investidor a erro a esse respeito".

Outras duas empresas de Eike, a OGpar (ex-OGX) e a MMX, reforçaram em comunicados ao mercado que a prisão do acionista não afeta seus negócios.

Eike está preso na penitenciária Bandeira Stampa, no Rio de Janeiro, conhecida como Bangu 9. Ele chegou a passar duas horas no superlotado presídio Ary Franco, também na cidade, mas foi transferido para garantia de sua integridade física.

Eike é investigado na Operação Eficiência, no âmbito da Lava Jato, suspeito de ter pagado propina ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral. Ele teria transferido 16,5 milhões de dólares político, preso desde novembro, por meio de uma conta no Panamá.

Últimas Notícias

Ver mais
Após 4 anos, STF arquiva inquérito que mirava Aécio por supostas propinas da OAS
Brasil

Após 4 anos, STF arquiva inquérito que mirava Aécio por supostas propinas da OAS

Há 6 dias

Fuga em Mossoró: buscas chegam a duas semanas com pistas de eles estariam nas vizinhanças da cadeia
Brasil

Fuga em Mossoró: buscas chegam a duas semanas com pistas de eles estariam nas vizinhanças da cadeia

Há 6 dias

Ativista russo de direitos humanos é preso por criticar guerra na Ucrânia
Mundo

Ativista russo de direitos humanos é preso por criticar guerra na Ucrânia

Há uma semana

PF prende dono de sítio suspeito de ajudar fugitivos de presídio de Mossoró
Brasil

PF prende dono de sítio suspeito de ajudar fugitivos de presídio de Mossoró

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais