Negócios

Cade aprova aquisição de suíça Nuance por Dufry

Compra anunciada em junho solidifica posição da Dufry como a maior varejista aeroportuária do mundo à frente do DFS Group


	Dufry: Américas são regiões pouco relevantes para a Nuance, que tem atividades nos EUA e no Canadá
 (Divulgação)

Dufry: Américas são regiões pouco relevantes para a Nuance, que tem atividades nos EUA e no Canadá (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 18 de agosto de 2014 às 13h43.

São Paulo - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou sem restrições a operação de compra da suíça Nuance pela companhia de varejo aeroportuário Dufry, segundo despacho publicado na edição desta segunda-feira do Diário Oficial da União.

A Dufry anunciou acordo para comprar a Nuance por 1,55 bilhão de francos suíços (1,7 bilhão de dólares) no início de junho, ampliando sua presença na Ásia e solidificando sua posição como a maior varejista aeroportuária do mundo à frente do DFS Group, de Hong Kong.

As companhias informaram ao Cade que a Nuance não possui atividades atualmente no Brasil e apenas celebrou contrato com o operador do aeroporto de Viracopos para abrir uma loja de produtos livres de impostos no terminal internacional e outras lojas de produtos não livres de impostos no setor de embarque de viagens domésticas. Foi o primeiro contrato da Nuance no Brasil e na América Latina, enquanto a Dufry já atua no país.

"Essa sobreposição horizontal no mercado de varejo de viagem não resultará em qualquer preocupação de ordem concorrencial", escreveram as empresas em documento entregue ao Cade.

As companhias afirmaram que as Américas são regiões pouco relevantes para a Nuance, que tem atividades somente nos Estados Unidos e no Canadá, representando menos de 7 por cento do faturalmento total. A Dufry é altamente dependente de vendas na América do Norte, enquanto a Nuance é mais forte na Europa e Ásia, tornando o negócio complementar.

Acompanhe tudo sobre:acordos-empresariaisCadeDufryEmpresasVarejo

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame