Negócios

Braço do Alibaba recebe aprovação para criar banco privado

As aprovações anunciam uma nova fornada de bancos privados na China, parte de um programa piloto lançado mais cedo neste ano


	Alibaba: empresa de comércio eletrônico está investindo no setor de serviços financeiros
 (Bloomberg)

Alibaba: empresa de comércio eletrônico está investindo no setor de serviços financeiros (Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de setembro de 2014 às 12h35.

Pequim/Xangai - O braço financeiro do Alibaba Group Holding recebeu aprovação do governo chinês para criar um banco privado, disse o regulador do setor bancário da China nesta segunda-feira, passo mais recente da investida da companhia de comércio eletrônico no setor de serviços financeiros.

A Zhejiang Ant Small & Micro Financial Services Group, afiliada do Alibaba que contém o braço de processamento de pagamentos e de serviços financeiros Alipay, terá 30 por cento do banco, disse o regulador. Outros sócios ficarão com o restante.

A Shanghai JuneYao Group, controladora da Juneyao Airlines, também recebeu aprovação regulatória para estabelecer seu próprio banco, e terá fatia de 30 por cento, segundo o regulador.

As aprovações anunciam uma nova fornada de bancos privados na China, parte de um programa piloto lançado mais cedo neste ano e primeiro passo da tentativa do país de abrir seu setor bancário a investidores privados.

"Continuaremos a atender as necessidades financeiras de pequenas e micro empresas e indivíduos ao elevar nossa capacidade de análise de dados e tecnologia de Internet e cumpriremos as exigências da autoridade reguladora dentro do prazo dado", disse uma porta-voz da afiliada de finanças do Alibaba em um comunicado.

Acompanhe tudo sobre:AlibabaÁsiaBancosChinaEmpresasEmpresas chinesasFinançasJack Ma

Mais de Negócios

Apple mantém diálogos com concorrente Meta sobre IA

30 franquias baratas para começar a empreender a partir de R$ 9.500

Empreendendo no mercado pet, ele saiu de R$ 50 mil para R$ 1,8 milhão. Agora, aposta em franquias

Ele quer chegar a 100 lojas e faturar R$ 350 milhões com produtos da Disney no Brasil

Mais na Exame