Acompanhe:
seloNegócios

BHP reafirma confiança em crescimento chinês

Alto executivo da mineradora disse que a economia da China pode facilmente crescer até 7,5 por cento ao ano na próxima década

Modo escuro

Continua após a publicidade

	BHP disse que os comentários do executivo não tinham a intenção de sugerir que a BHP havia mudado sua perspectiva sobre a China
 (Getty Images)

BHP disse que os comentários do executivo não tinham a intenção de sugerir que a BHP havia mudado sua perspectiva sobre a China (Getty Images)

D
Da Redação

Publicado em 1 de novembro de 2012 às, 12h52.

Melbourne - Um alto executivo da mineradora BHP Billiton disse que a economia da China pode facilmente crescer até 7,5 por cento ao ano na próxima década, o que levou a empresa a dizer rapidamente que o comentário não representa uma perspectiva pior em relação ao seu ponto de vista oficial.

Um porta-voz da BHP disse que os comentários do executivo do grupo, Alberto Calderón, não tinham a intenção de sugerir que a BHP havia mudado sua perspectiva sobre a China. A empresa, há duas semanas, estimou um crescimento médio de 7 a 8 por cento durante a próxima década, disse.

"A mensagem principal é que ainda estamos confiantes no crescimento da China e que um crescimento em torno de 7 por cento ainda é esperado", disse a porta-voz, Eleanor Nichols.

Uma desaceleração econômica na China, maior cliente da BHP, tem pressionado os preços do minério de ferro e carvão, forçando as mineradoras a cortar postos de trabalho, mudar as operações e engavetar projetos de expansão.

Calderón disse em uma conferência de economia em Melbourne que não é preciso muito esforço para segunda maior economia do mundo alcançar entre 6 por cento e 7,5 por cento de crescimento ao longo da próxima década.

"Eu acredito que a China não tem que fazer nada diferente do que fez no passado para continuar crescendo a taxas de crescimento elevadas --6, 7, 7,5 por cento, em média, durante os próximos 10 anos", disse ele.


A perspectiva da BHP é mais otimista do que a da maior produtora de minério de ferro do mundo, a Vale, que vê a expansão econômica anual de 6-7 por cento, em média, para o resto da década.

Muitos economistas veem a economia da China crescer a uma menor trajetória nos próximos anos, após uma expansão em um ritmo alucinante de mais de 10 por cento ao ano, em média, durante a última década.

"A meta oficial da China, de 7,5 por cento, está mais em linha com o que vemos e seria consistente com os preços das commodities mantendo-se em níveis razoáveis", disse o economista-chefe da AMP, Shane Oliver.

Os preços do minério de ferro caíram para uma mínima de três anos em 87 dólares a tonelada em setembro, quando a demanda na China caiu. Eles já se recuperaram para 119 dólares a tonelada, mas analistas dizem que a recuperação foi impulsionada principalmente pela reposição de estoques na China, em vez de uma verdadeira recuperação da demanda.

Mesmo em 120 dólares a tonelada, abaixo dos níveis recordes de cerca de 200 dólares, a BHP tem um lucro enorme porque seus custos de produção estão mais perto de 40 dólares por tonelada.

"Eu ainda acho que 120 dólares (a tonelada) é um preço espetacular. Gostaria 180 dólares, mas eu tento não ser muito ganancioso", disse Calderón.

Últimas Notícias

Ver mais
Os planos da Austrália para aumentar sua influência no Sudeste Asiático
Economia

Os planos da Austrália para aumentar sua influência no Sudeste Asiático

Há 6 horas

Por que o Goldman Sachs acredita que investir na China pode ser arriscado
seloMercados

Por que o Goldman Sachs acredita que investir na China pode ser arriscado

Há 8 horas

A ambiciosa meta de crescimento de 5% da China para 2024
Economia

A ambiciosa meta de crescimento de 5% da China para 2024

Há 8 horas

GPA lança follow-on mirando de R$ 500 milhões a R$ 1 bi
Exame IN

GPA lança follow-on mirando de R$ 500 milhões a R$ 1 bi

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais