Negócios

Barilla se desculpa no Twitter por ofender homossexuais

Guido Barilla pediu desculpas por "ter ofendido a sensibilidade de tantos" ao dizer que uma família gay não estrelaria os comercias da companhia

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

Luísa Melo

Luísa Melo

Publicado em 26 de setembro de 2013 às 16h21.

São Paulo - Guido Barilla, presidente da fabricante italiana de massas batizada com o seu sobrenome, se desculpou nos canais oficiais da marca no Twitter e no Facebook por ter dito que uma família gay não estrelaria os comerciais da companhia porque prefere a "família tradicional".

A declaração foi feita na noite de quarta-feira à radio italiana "La Zanzara". Barilla disse ainda que se os gays não gostam da publicidade da sua empresa "vão comer outro macarrão".

A frase repercutiu de forma negativa em todo o mundo e no Twitter várias pessoas se manifestaram em uma campanha de boicote à marca, com a tag #boycottbarilla.

Um usuário da rede social chamado Maso Notarianni (@masonotarianni) escreveu: "#Barilla 206 tipos de massas, nunca ouviu falar em diversidade. #Barilla #boycottbarilla", com uma foto anexa.

Nesta quinta, o presidente da companhia italiana postou no Twitter a seguinte frase:

"Peço muitas desculpas por ter ofendido a sensibilidade de tantos.Tenho o mais profundo respeito por todas as pessoas sem distincão. Guido Barilla."

Duas horas depois Barilla declarou no Facebook da marca:

"Com referência à minha declaração feita ontem na La Zanzara, peço desculpas se minhas palavras têm gerado controvérsia ou mal-entendido, e se elas têm ofendido a sensibilidade de algumas pessoas.

Para maior clareza, gostaria de salientar que tenho o mais profundo respeito por todas as pessoas, sem distição alguma.

Eu tenho o maior respeito por homossexuais e pela liberdade de expressão de qualquer um.

Eu também disse e repito que respeito o casamento das pessoas de mesmo sexo.

Barilla em suas propagandas têm sempre escolhido representar a família porque este é o símbolo da hospitalidade e carinho para todos. 

Guido Barilla."

Acompanhe tudo sobre:BarillaEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetEmpresas italianasGaysInternetLGBTPreconceitosRedes sociaisTwitter

Mais de Negócios

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Polishop

Fernando Goldsztein: Toda a ajuda é pouca para os atingidos pelas enchentes do RS

Rodízio caro: rede de restaurantes Red Lobster pede recuperação judicial com dívida de US$ 1 bilhão

A startup que pretende usar um fundo de R$ 150 milhões para salvar negócios no Rio Grande do Sul

Mais na Exame