Negócios

Azul vai criar empresa de logística em parceria com Correios

Segundo a Azul, a companhia aérea terá 50,01% da nova empresa e os Correios, o restante

Azul: nova empresa deve começar a operar no primeiro semestre do próximo ano (Paulo Whitaker/Reuters)

Azul: nova empresa deve começar a operar no primeiro semestre do próximo ano (Paulo Whitaker/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 20 de dezembro de 2017 às 18h30.

Última atualização em 20 de dezembro de 2017 às 21h12.

São Paulo - A Azul assinou um memorando de entendimentos com os Correios para criar uma empresa privada de solução de logística integrada.

A nova companhia terá participação de 50,01% da Azul e 49,99% dos Correios e, segundo as empresas, oferecerá ao mercado o serviço de gestão de logística integrada para transporte de cargas, com "potencial para se tornar a melhor plataforma de logística para o comércio eletrônico do País".

A operação começa a partir das demandas dos Correios e da Azul, movimentando aproximadamente 100 mil toneladas de cargas por ano.

"Com isso, ambas companhias terão economia de custo, eficiência operacional e ganho de receita, melhorando a oferta deste serviço para o consumidor", afirma a Azul, em fato relevante, destacando que a nova empresa permitirá a expansão de serviços e produtos de logística para lugares ainda não servidos, além de trazer mais eficiência, redução de custos e ganho de receita para ambas companhias.

Segundo a Azul, o início das atividades está previsto para o primeiro semestre de 2018, após aprovação pelos órgãos e instâncias competentes.

"A Azul é a única companhia com uma malha que liga o País, com mais de 100 destinos servidos. Os Correios estão presentes em 5.570 municípios da União, com a maior capilaridade para coleta e distribuição a partir de sua rede. Ao ter uma empresa que explore essa sinergia, mais brasileiros poderão contar com estes serviços, permitindo a eles serem ainda mais ativos no desenvolvimento de nosso País", disse, em nota, o ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicação,Gilberto Kassab.

O presidente dos Correios, Guilherme Campos, afirmou que viu uma oportunidade ímpar para fazer o Brasil ganhar um serviço de logística ainda mais eficiente, com claros benefícios ofertados para os consumidores.

"O início dessa empresa beneficiará os brasileiros, uma vez que com ela, além de conseguirmos reduzir substancialmente os atuais custos com transporte logístico dos Correios, receberemos os dividendos desse negócio, aumentando ainda mais a eficiência de nossa operação", disse.

"É uma ótima oportunidade para ampliarmos nosso transporte de cargas e ganhar eficiência operacional. Somos a única empresa capaz de prestar este nível de serviço, pois somos a companhia que mais cidades serve no País", afirmou John Rodgerson, presidente da Azul.

"Além disso, temos forte presença em Viracopos, que já é o hub de cargas do Brasil. Sem contar altos índices de pontualidade, fundamental para esse serviço."

Acompanhe tudo sobre:acordos-empresariaisAzulCorreiosEmpresas

Mais de Negócios

A empresa inglesa que inventou a retroescavadeira vai investir R$ 500 milhões no Brasil — veja onde

Fórmula secreta? Como a Disney reinventou sua gestão financeira para continuar no topo

Depois de faturar R$ 300 milhões no Brasil, a Asper quer combater crimes digitais nos Estados Unidos

Em masterclass gratuita, Marcelo Cherto ensina o passo a passo para abrir uma franquia de sucesso

Mais na Exame