Negócios

Audiência entre Eike e ex-sócio é desmarcada no Rio

As duas partes decidram deixar o caso ir para juízo; disputa entre o empresário e Rodolfo Landim pode alcançar 500 milhões de reais

Eike Batista: desentendimento com Rodolfo Landim pode acabar sem acordo (Marcelo Correa/EXAME.com)

Eike Batista: desentendimento com Rodolfo Landim pode acabar sem acordo (Marcelo Correa/EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 23 de maio de 2011 às 15h23.

Rio - Pode terminar sem acordo a briga que o executivo Rodolfo Landim trava com o empresário Eike Batista na Justiça, numa disputa que pode beirar o meio bilhão de reais. Uma audiência entre Eike e seu ex-braço direito para apresentação de testemunhas que estava agendada para amanhã na 4ª Vara Empresarial do Rio foi desmarcada. As partes teriam entendido que apresentar testemunhas não seria uma boa estratégia e decidiram deixar o caso ir direto a juízo.

Duas petições foram apresentadas nos dias 4 e 20 deste mês e devem ser juntadas aos autos. A decisão segue para considerações finais do juiz, o que ainda não tem data marcada. Uma audiência de conciliação agendada em abril acabou também não acontecendo. O caso, que começou na 4ª Vara no segundo semestre do ano passado, foi para a 3ª e voltou para a 4ª, trata de dissolução de sociedade, dano material, indenização e outros. Landim estaria reivindicando o pagamento de quase R$ 500 milhões.

A saída de Landim do grupo de Eike foi anunciada em abril de 2010, após o empresário e o executivo entrarem em sérios desentendimentos. No cerne da disputa está o pagamento de bônus e participações que teria sido acertado quando Eike convidou Landim para deixar a BR Distribuidora e integrar o grupo EBX, atraído por um salário mensal de R$ 300 mil.

Na época, o grupo de Eike era avaliado em US$ 300 milhões, quase 1% do que valia quando Landim deixou o conglomerado: US$ 27 bilhões. O contrato de Landim também lhe dava direito a 1,5% da Centennial, a empresa pessoal de Eike que, na estrutura societária, fica acima da holding EBX.

Ao lado de Eike, Landim participou das ofertas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) de cinco empresas do grupo - MMX (mineração), LLX (logística), OGX (petróleo), MPX (energia) e OSX (navegação) -, hoje avaliadas em dezenas de bilhões de reais.

Acompanhe tudo sobre:EBXEike BatistaEmpresáriosEmpresasJustiçaMMXOSXPersonalidades

Mais de Negócios

Cimed avança na compra da Jequiti — e quer 100% da empresa de cosméticos

Essa empresa vende em até 10 vezes sem juros artigos de luxos – que podem render mais do que ações

Grupo de certificados digitais de MG compra empresa, faz fusão e passa a valer R$ 300 milhões

EXCLUSIVO: Natura lança o seu primeiro fundo de investimentos em startups com valor de R$ 50 milhões

Mais na Exame