Negócios

AT&T vai vender até US$ 10 bilhões em ativos em 2020

A AT&T espera gerar 14 bilhões de dólares por meio de venda de ativos e outras iniciativas até o final deste ano

AT&T: empresa tem dívida de 153,5 bilhões de dólares (Taylor Glascock/Bloomberg)

AT&T: empresa tem dívida de 153,5 bilhões de dólares (Taylor Glascock/Bloomberg)

R

Reuters

Publicado em 28 de outubro de 2019 às 12h10.

Bangalore — A AT&T revelou nesta segunda-feira um plano estratégico de três anos que inclui a venda de até 10 bilhões de dólares em ativos não essenciais no próximo ano e pagamento de toda a dívida gerada com a aquisição da Time Warner.

O segundo maior grupo de telecomunicações dos Estados Unidos em número de clientes tem enfrentado um quadro estagnado no preço de suas ações depois de investir centenas de bilhões de dólares em uma aposta de ter conteúdo digital online para que as pessoas o consumam por celulares TVs e computadores.

Para reduzir dívida de 153,5 bilhões de dólares, a AT&T tem vendido ativos, incluindo um negócio anunciado neste final de semana.

O grupo de investimento PPF, controlado pelo homem mais rico da República Tcheca, Petr Kellner, fechou acordo para comprar a emissora Central European Media Enterprises (CME) por cerca de 2,1 bilhões de dólares em dinheiro. O negócio marca a saída da AT&T, maior acionista da CME, da companhia.

A AT&T espera gerar 14 bilhões de dólares por meio de venda de ativos e outras iniciativas até o final deste ano. A empresa reduziu a dívida líquida em 12,7 bilhões de dólares até agora neste ano.

A receita operacional total no terceiro trimestre caiu para 44,59 bilhões de dólares ante 45,74 bilhões um ano antes. Analistas, em média, esperavam faturamento de 45 bilhões de dólares, segundo dados da Refinitiv.

Acompanhe tudo sobre:AT&TTime Warner

Mais de Negócios

OPINIÃO: Na lama da tragédia, qual política devemos construir?

Conheça a Rota das Artes, o novo roteiro turístico de Minas Gerais

Fabricio Bloisi deixa operação do iFood para assumir comando de grupo de investimentos Prosus

Conheça a CEO que nunca descansa, nem cobra salário – isso porque ela é uma inteligência artificial

Mais na Exame