As várias turbulências na trajetória da Malaysia Airlines

Companhia aérea estava se recuperando de uma crise financeira que teve início em 2011

São Paulo – A maior crise da história da Malaysia Airlines ganhou um novo capítulo hoje. Quinze dias após o desaparecimento do voo MH370, o primeiro ministro da Malásia veio a público confirmar que o Boeing 777 caiu no oceano Índico sem deixar sobreviventes. Foram 239 mortos. 

A tragédia é o momento mais delicado por qual a empresa passa em toda a sua história. Porém, em proporções incomparavelmente menores, outras tantas turbulências abalaram a trajetória dos negócios da companhia. 

A aérea estatal foi criada em 1947, sob o nome de Malayan Airways. Em 1963, ano da independência da Malásia, foi rebatizada de Malaysian Airways.

Em 1965 teve mais uma vez seu nome trocado, para Malaysia-Singapore Airlines, depois que Singapura tornou-se um país independente e a empresa tornou-se bi-nacional. Só em 1972, com a separação das duas companhias aéreas, adotou a nomenclatura que utiliza até hoje.

Desde então, passou por três grandes crises financeiras. A primeira ocorreu em 1997, por conta da crise da Ásia, que atingiu países do Sudeste e Nordeste asiático. Em 2005, a companhia aérea registrou perdas de 1,5 bilhão de riggits malaios, o que hoje corresponde a 455 milhões de dólares.

O governo malaio então substituiu o presidente executivo da companhia e estabeleceu um novo plano de negócios. Os altos preços dos combustíveis, os custos com manutenção e as rotas ineficientes foram apontados como as maiores razões para as perdas.

Após alguns anos de bons resultados financeiros, a empresa tropeçou mais uma vez em 2011, com perdas líquidas de 2,5 bilhões de riggits malaios, o equivalente a cerca de 760 milhões de dólares. Mais uma vez, o combustível foi o vilão da cena.

Repercussão
Apesar dos problemas financeiros, a Malaysia Airlines era bastante respeitada no mercado. Atendendo a 37.000 passageiros todos os anos e voando para mais de 80 destinos, a companhia aérea foi eleita a segunda melhor para voos de longa distância em classe econômica.

Em 2014, a empresa apresentou os resultados financeiros de 2013 e, pela primeira vez desde a crise de 2011, mostrou bom desempenho, com aumento de 36% em seu Ebitda, de 11% em sua receita, e de 27% no tráfego de passageiros. A AirAsia, sua maior concorrente no continente, é conhecida por seus baixos preços e, até o último dia 8 de março, era sua maior preocupação.

Hoje, depois que finalmente se sabe o que ocorreu com o avião, a busca pelos destroços e por uma explicação sobre os motivos do acidente continua. Além de permanecer no auxílio às buscas e às famílias, a Malaysia Airways também vai ter de lidar com a repercussão negativa da tragédia, que chegou a derrubar as ações da companhia em 4%.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.