Negócios

ArcelorMittal vê rápida recuperação após 1o tri fraco

Bruxelas - A ArcelorMittal, maior grupo siderúrgico do mundo, prevê uma forte recuperação na demanda e nos preços no segundo trimestre depois que o desempenho da companhia nos três primeiros meses do ano decepcionaram expectativas. A companhia sediada em Luxemburgo, que detém 8 por cento mercado global de aço, informou nesta quinta-feira que a geração de […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h39.

Bruxelas - A ArcelorMittal, maior grupo siderúrgico do mundo, prevê uma forte recuperação na demanda e nos preços no segundo trimestre depois que o desempenho da companhia nos três primeiros meses do ano decepcionaram expectativas.

A companhia sediada em Luxemburgo, que detém 8 por cento mercado global de aço, informou nesta quinta-feira que a geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) vai subir quase 60 por cento no segundo trimestre em relação ao primeiro.

"A recuperação econômica continua em linha com nossas expectativas e 2010 será um ano mais forte para a ArcelorMittal", afirmou o presidente-executivo, Lakshmi Mittal, em comunicado.

Na quarta-feira, a segunda maior siderúrgica do mundo, Nippon Steel, registrou lucro trimestral menor que o esperado e pela primeira vez não entregou previsão anual de desempenho devido às incertezas sobre os custos com matérias-primas e preços do aço.

A empresa prevê um Ebitda de 2,8 bilhões a 3,2 bilhões de dólares entre abril e junho enquanto a média de previsões de analistas é de 2,9 bilhões de dólares.

A ArcelorMittal aumentou a produção para 72 por cento de sua capacidade ante 70 por cento no quarto trimestre de 2009 e disse que vai aumentar o nível de utilização para 80 por cento no segundo trimestre.

Acompanhe tudo sobre:ArcelorMittalCrescimento econômicoDesenvolvimento econômicoEmpresasLucroSiderurgiaSiderurgia e metalurgia

Mais de Negócios

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Ligadona em você: veja o que aconteceu com a Arapuã, tradicional loja dos anos 1990

A empresa inglesa que inventou a retroescavadeira vai investir R$ 500 milhões no Brasil — veja onde

Mais na Exame