Negócios

ArcelorMittal estuda ampliação no Brasil, diz presidente

O presidente da Arcelor Brasil sinalizou que a empresa deverá seguir o exemplo da Usiminas, que já anunciou negociação para a retirada dos descontos no preço do aço que vinha concedendo aos seus clientes

Fábrica da ArcellorMittal: empresa é o  maior produtor de aço do mundo (Mark Renders/Getty Images)

Fábrica da ArcellorMittal: empresa é o maior produtor de aço do mundo (Mark Renders/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 1 de março de 2011 às 18h58.

São Paulo - A ArcelorMittal Brasil estuda a implantação de um segundo laminador de tiras a quente na planta de Tubarão, ex-CST, no município de Serra (ES), afirmou nesta terça-feira (01/03), em Belo Horizonte, o presidente da empresa, Benjamim Baptista Filho. O novo laminador, conforme Baptista Filho, demandará investimento da ordem de US$ 1 bilhão para elevar em 3,5 milhões de toneladas/ano a capacidade atual de produção, passando para 7,5 milhões de toneladas/ano.

"Estamos fazendo um estudo de viabilidade e pretendemos estar com esse estudo no final desse ano, princípio do ano que vem, para tomar a decisão", afirmou, após um encontro com o governador de Minas, Antonio Anastasia (PSDB).

Na audiência com Anastasia, o presidente da Arcelor Brasil disse que detalhou o programa de expansão da empresa, que investe US$ 1,2 bilhão na duplicação da capacidade produtiva da unidade de João Monlevade (MG). A siderúrgica também estuda aumentar a produção em sua fábrica de Cariacica (ES) e na planta de Juiz de Fora (MG).

"Na área de produtos planos, nós temos um projeto de fazer uma ampliação da nossa unidade de Santa Catarina, onde a gente pretende construir uma nova linha de galvanização (com investimento calculado em cerca de US$ 300 milhões) para atender o crescimento da indústria automotiva", ressaltou Baptista Filho.

Preço

O presidente da Arcelor Brasil sinalizou que a empresa deverá seguir o exemplo da Usiminas, que já anunciou negociação para a retirada dos descontos no preço do aço que vinha concedendo aos seus clientes. "O mercado está reagindo no Brasil, então nós vamos acompanhar a evolução que o mercado requisitar", disse, sem falar em porcentuais.

Conforme o executivo, os eventuais reajustes estão circunscritos ao mercado spot (à vista). "O mercado inteiro trabalhou de uma forma muito semelhante, tanto na queda quanto na subida, agora. Então, vamos acompanhar", disse.

Acompanhe tudo sobre:ArcelorMittalEmpresasNegociaçõesSiderurgiaSiderurgia e metalurgia

Mais de Negócios

Startup brasileira quer usar hemogramas e IA para acelerar diagnóstico do câncer de mama

A rota da KLM para transformar viagens em conexões inesquecíveis

Lembra dela? TecToy volta a apostar no mercado game e lança computador, acessórios e até jogos

Giovanna Antonelli, Caio Castro, Deborah Secco e mais: conheça franquias com sócios famosos

Mais na Exame