Negócios

Americanas tem lucro de R$ 490 milhões no 4º trimestre

O resultado foi divulgado cinco dias após a empresa ter sido alvo de ataque digital que a obrigou a manter seus sites de venda fora do ar durante quase quatro dias

 (Raul Junior/Site Exame)

(Raul Junior/Site Exame)

R

Reuters

Publicado em 24 de fevereiro de 2022 às 19h36.

Última atualização em 24 de fevereiro de 2022 às 19h42.

A Americanas divulgou nesta quinta-feira alta de 20,5% no lucro líquido do quarto trimestre sobre um ano antes, a R$ 490 milhões, com desempenho operacional dentro do esperado pelo mercado e um crescimento de vendas digitais de mais de 30%.

A comparação com o quarto trimestre de 2020 é pro forma, considerando como se a união entre Lojas Americanas e B2W tivesse ocorrido desde o início do ano passado. O negócio foi concluído no fim de janeiro deste ano.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso.

O resultado foi divulgado cinco dias após a empresa ter sido alvo de ataque digital que a obrigou a manter seus sites de venda fora do ar durante quase quatro dias. No balanço, a empresa não deu detalhes sobre o evento ou impactos financeiros, mencionando apenas que seguirá investigando o episódio "durante as próximas semanas".

A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado da Americanas no quarto trimestre recuou 10,8%, para R$ 1,07 bilhão. Analistas, em média, esperavam Ebitda de R$ 1 bilhão para o período.

A empresa estimou no balanço que as sinergias criadas com a união de Lojas Americanas e B2W somaram R$ 2,3 bilhões até 2024 e um valor presente líquido (VPL) de R$ 1,6 bilhão.

"Entre as sinergias operacionais mensuradas estão custos com frete e marketing, tecnologia e logística. Já as sinergias financeiras passam pela otimização da gestão financeira e da antecipação de recebíveis", afirmou a companhia.

A Americanas teve vendas brutas (GMV) totais de R$ 18,1 bilhões no trimestre, 28,3% acima do registrado um ano antes. As vendas nos canais digitais evoluíram 36,2%, a R$ 13,3 bilhões.

No ambiente físico, as vendas mesmas lojas subiram 4,1% ano a ano e a receita bruta cresceu 10,7%, a R$ 4,85 bilhões.

Acompanhe tudo sobre:AmericanasBalançose-commerce

Mais de Negócios

Justiça aprova plano de recuperação extrajudicial da Casas Bahia

De pequena lanchonete à franquia bilionária: o que o sucesso do McDonald’s ensina aos empreendedores

Desenrola Pequenos Negócios renegocia R$ 1,25 bilhão até 12 de junho

Executivos veem a inteligência artificial como um “divisor de águas”

Mais na Exame