UE e Reino Unido podem ter acordo em fevereiro, diz Juncker

Na semana passada, algumas autoridades da UE mostraram dúvidas sobre a possibilidade de se chegar a um acordo em fevereiro

Um acordo entre o governo do Reino Unido e a União Europeia deve sair em fevereiro, afirmou o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, em entrevista coletiva nesta sexta-feira.

"Tenho bastante certeza de que nós teremos um acordo, não um compromisso, mas uma solução em fevereiro", disse Juncker.

Questionado sobre o motivo de tamanha confiança no resultado do que ele mesmo descreveu como um "período delicado" de conversas sobre "temas muito difíceis", Juncker disse: "Meu conhecimento me permite dizer isso."

Na semana passada, algumas autoridades da UE mostraram dúvidas sobre a possibilidade de se chegar a um acordo em fevereiro.

Um acordo, porém, parece estar a caminho para atender todas as quatro demandas do premiê britânico, David Cameron, incluindo a delicada questão sobre permitir que os trabalhadores de outros países da UE tenham acesso ao sistema de bem-estar social apenas após quatro anos de residência no Reino Unido.

Segundo um graduado diplomata familiarizado com as conversas, o acordo deve ser passado para o papel no início de fevereiro, para que os líderes possam discuti-lo em sua reunião de Bruxelas em 18 e 19 de fevereiro.

As conversas continuam tão intensas que um acordo final pode sair em fevereiro, avaliou a fonte diplomática.

Cameron espera chegar a um acordo na reunião de fevereiro sobre mudanças em suas relações com a UE que na avaliação dele são necessárias para persuadir os britânicos a seguir no bloco, em plebiscito sobre o assunto.

Um acordo em fevereiro permitiria que Cameron convocasse essa votação popular mais cedo, talvez já em junho.

Duas fontes ligadas ao tema dizem que uma possibilidade avaliada é que uma exigência similar seja aplicada aos cidadãos britânicos, que teriam acesso a benefícios em outros países apenas após quatro anos de trabalho em outras nações da UE.

Isso evitaria, assim, uma discriminação entre cidadãos do bloco, o que é ilegal pelas regras da união.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.