• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Tribunal mais alto da França libera uso do "burkíni"

Tribunal mais alto da França decidiu que não se pode proibir o uso do "burkíni" nas praias do país

	Burkini: juízes afirmaram que proibição viola liberdades fundamentais
 (Getty Images)
Burkini: juízes afirmaram que proibição viola liberdades fundamentais (Getty Images)
Por Da RedaçãoPublicado em 26/08/2016 11:17 | Última atualização em 26/08/2016 11:17Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Paris - O mais alto tribunal administrativo da França, o Conselho do Estado, decidiu nesta sexta-feira suspender uma proibição contra o uso do chamado "burkíni", uma roupa que cobre o corpo todo usado por algumas muçulmanas para ir à praia.

A decisão estabelece um precedente judicial para o acalorado debate no país sobre os trajes muçulmanos e a identidade laica francesa.

O Conselho de Estado suspendeu a determinação municipal que proíbe o uso do "burkíni" em Villeneuve-Loubet, uma pequena cidade na Riviera Francesa, localizada entre Nice e Cannes, após uma queixa apresentada por um grupo pelos direitos humanos.

Os magistrados decidiram que a decisão do prefeito violava liberdades fundamentais.

"Sem exceder seus poderes, o prefeito não poderia decretar medidas que proíbem o acesso à praia e ao mar quando essas medidas não são baseadas em riscos comprovados para a ordem pública ou por razões de higiene ou decência", afirmou o órgão judicial francês.

O advogado Patrice Spinosi, que representa a Liga pelos Direitos Humanos, afirmou que outros prefeitos precisarão respeitar a decisão judicial.

Segundo ele, as mulheres que já receberam multas podem recorrer, depois desse julgamento. "É uma decisão que significa abrir um precedente legal", disse o advogado.

"Logicamente os prefeitos devem retirar essas determinações. Se não ações legais poderiam ser tomadas", apontou. A Liga pelos Direitos Humanos é um dos grupos que entrou na Justiça no caso.

O prefeito de Sisco, Ange-Pierre Vivoni, já afirmou que não pretende acabar com a proibição, mesmo após o pronunciamento da Justiça. O prefeito da cidade da Córsega disse que na região a tensão é "muito, muito, muito forte e eu não retirarei isso".

Fontes: Associated Press e Dow Jones Newswires.