Mundo

Senadora dos EUA acusada de racismo se desculpa por piada com linchamentos

"Se você me convidasse para um enforcamento público, estaria na primeira fila", disse Cindy Hyde-Smith a um fazendeiro na cidade de Tupelo durante ato

Cindy Hyde-Smith: republicana foi designada este ano para substituir de forma interina o senador Thad Cochran, que abandonou sua cadeira devido a uma doença (Tom Williams/Getty Images)

Cindy Hyde-Smith: republicana foi designada este ano para substituir de forma interina o senador Thad Cochran, que abandonou sua cadeira devido a uma doença (Tom Williams/Getty Images)

E

EFE

Publicado em 21 de novembro de 2018 às 18h29.

Washington - A senadora republicana Cindy Hyde-Smith, que concorre por uma cadeira no Senado dos Estados Unidos, pediu desculpas por declarações nas quais parecia aprovar os linchamentos de cidadãos negros.

"Para qualquer um que tenha se ofendido pelos meus comentários, definitivamente peço perdão", disse Cindy na terça-feira, 22, à noite durante um debate com seu adversário democrata, o afro-americano Mike Espy.

Cindy foi designada este ano para substituir de forma interina o senador Thad Cochran, que abandonou sua cadeira devido a uma doença, e se candidatou às eleições legislativas de 6 de novembro com o objetivo de permanecer no Senado durante os dois anos de mandato que Cochran ainda tinha para cumprir.

Mas nem ela nem Espy conseguiram obter 50% dos votos, o que, segundo as regras do Mississipi, os obriga a se enfrentarem novamente em um segundo turno no próximo dia 27 de novembro.

O Mississipi é um estado marcadamente conservador onde as vitórias republicanas são dadas como garantidas, mas as declarações aparentemente racistas de Cindy na semana passada equilibraram disputa mais do que o previsto. "Se você me convidasse para um enforcamento público, estaria na primeira fila", disse a senadora a um fazendeiro na cidade de Tupelo durante um ato com eleitores.

As palavras "enforcamento público" evocaram os linchamentos de afro-americanos, assassinatos extrajudiciais por motivos racistas que eram comuns no sul durante o século 19 e a primeira metade do 20, que passaram a ser menos frequentes após o movimento dos direitos civis na década de 1960.

Em comunicado, o principal grupo afro-americano do país, a Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor (NAACP, na sigla em inglês), afirmou que a decisão de Cindy de "brincar" com os enforcamentos, dados "os incontáveis incidentes desse ato bárbaro", é "doentia".

As declarações da senadora renovaram o interesse de alguns eleitores no candidato democrata, que é afro-americano, e levaram grandes figuras do Partido Democrata a fazer campanha com ele, entre eles os senadores Kamala Harris e Cory Booker.

O presidente dos EUA, Donald Trump, deve viajar na segunda-feira ao Mississipi para fazer campanha a favor de Cindy. Será a primeira vez que Trump fará campanha desde as eleições legislativas de 6 de novembro, nas quais seu partido perdeu o controle da Câmara dos Representantes, mas obteve a maioria no Senado.

Acompanhe tudo sobre:Eleições americanasEstados Unidos (EUA)Racismo

Mais de Mundo

Charles III anuncia agenda trabalhista que prioriza infraestrutura e energia limpa

Ex-assessor de Trump deixa a prisão e segue direto para convenção do Partido Republicano

1ª cápsula de suicídio assistido pode ser usada neste ano, na Suíça; saiba mais sobre o processo

Eleições nos EUA: por que escolha de vice de Trump foge do padrão

Mais na Exame