Mundo

Republicanos da Câmara iniciam audiência sobre pedido de impeachment de Biden

Audiência ocorre dias antes de uma potencial paralisação do governo

Joe Biden: Presidente dos Estados Unidos enfrenta grandes problemas em seu governo (Bloomberg/Getty Images)

Joe Biden: Presidente dos Estados Unidos enfrenta grandes problemas em seu governo (Bloomberg/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 28 de setembro de 2023 às 14h17.

Depois de insistir durante meses que há motivos para iniciar um processo de impeachment contra o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, os republicanos da Câmara dos Representantes promoveram nesta quinta-feira, 28, sua primeira audiência formal para apresentar o caso ao público, colegas e céticos no Senado.

Os presidentes dos comitês de Supervisão e o de normas aproveitaram a primeira audiência do inquérito de impeachment para rever as questões constitucionais e legais em torno da investigação de Biden. Os grupos tentam mostrar o que alegam ser ligações dos negócios estrangeiros de seu filho Hunter, embora ainda não tenham apresentado evidências concretas de qualquer irregularidade grave.

Fique por dentro das últimas notícias no WhatsApp da Exame. Inscreva-se aqui 👉 https://t.ly/6ORRo

O republicano James Comer, presidente do comitê de Supervisão, disse no discurso de abertura que os advogados têm "uma montanha de provas" que mostrarão que o Biden mais velho "abusou do seu cargo público para obter ganhos financeiros para a sua família".

É um pontapé arriscado para os republicanos, à medida que iniciam um processo que pode levar à pena do presidente pelo que a Constituição descreve como "crimes graves e contravenções".

A audiência ocorre dias antes de uma potencial paralisação do governo e enquanto os republicanos da Câmara enfrentam profunda resistência no Senado por parte dos republicanos que se preocupam com as ramificações políticas de outro impeachment - e que dizem que a condenação e destituição de Biden do cargo são quase impossíveis.

Mas os republicanos da Câmara dizem que estão apenas investigando e não tomaram nenhuma decisão final sobre o impeachment do presidente.

A audiência de quinta-feira não apresenta testemunhas com informações sobre os negócios do presidente ou de Hunter Biden. Ao contrário disso, traz testemunhos de especialistas externos em direito fiscal, investigações criminais e teoria jurídica constitucional.

Os democratas, que condenam a investigação como uma manobra política destinada a prejudicar Biden e ajudar Donald Trump em sua disputa novamente à presidência, planejavam trazer Michael Gerhardt, um professor de direito que apareceu como especialista em duas tentativas anteriores de impeachment.

Nos preparativos para a audiência, os republicanos divulgaram uma série de novos documentos e registros bancários que detalham as transferências eletrônicas de um empresário chinês para Hunter Biden em 2019. Hunter Biden listou o endereço de seu pai no formulário de transferência eletrônica, o que os republicanos dizem que evidenciou a ligação clara com o presidente.

Os republicanos da Câmara também estão se debruçando sobre a investigação do Departamento de Justiça relacionada aos impostos e o uso de armas de Hunter Biden, que começou em 2018. Dois denunciantes da Receita Federal (IRS) americana se apresentaram ao Congresso na primavera alegando que funcionários do departamento frustraram seus esforços para investigar completamente Hunter Biden e seus negócios e que os agentes enfrentaram retaliação quando recuaram.

Desde então, as reivindicações foram contestadas por agentes do IRS e do FBI que trabalharam no caso.

Acompanhe tudo sobre:Joe BidenImpeachmentEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Morte de presidente do Irã não deve gerar revolução, mas disputa silenciosa, diz especialista

EUA: Yellen pedirá a aliados europeus para atuar de modo conjunto nas sanções contra a Rússia

Julgamento de Trump entra em fase final, em meio a suspense sobre seu testemunho

Tensão entre Milei e Sánchez, primeiro-ministro da Espanha, se desdobra em crise diplomática

Mais na Exame