Mundo

Papa Francisco sugere possível bênção a casais do mesmo sexo

Pontífice também manifestou apoio às leis civis que estendem os benefícios legais aos cônjuges LGBTs

Papa Francisco: Pontífice reiterou que o matrimônio é a união entre um homem e uma mulher (Vatican Media/Getty Images)

Papa Francisco: Pontífice reiterou que o matrimônio é a união entre um homem e uma mulher (Vatican Media/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 4 de outubro de 2023 às 17h06.

Última atualização em 4 de outubro de 2023 às 17h08.

O papa Francisco sugeriu que pode haver formas de abençoar as uniões do mesmo sexo, respondendo a cinco cardeais conservadores que o desafiaram a afirmar o que ensina a Igreja sobre a homossexualidade antes de um grande encontro em que os católicos LGBT+ estão na agenda.

O Vaticano publicou na segunda-feira, 2, uma carta que o papa Francisco escreveu aos cardeais em 11 de julho, depois de receber deles uma lista de cinco perguntas, ou "dubia", um dia antes. Nela, o papa sugere que tais bênçãos poderiam ser estudadas se não a confundissem com o casamento sacramental.

Fique por dentro das últimas notícias no WhatsApp da Exame. Inscreva-se aqui 👉 https://t.ly/6ORRo

O Vaticano afirma que o casamento é uma união indissolúvel entre homem e mulher. Como resultado, há muitos que se opõem ao casamento gay. Mas até o Papa Francisco manifestou apoio às leis civis que estendem os benefícios legais aos cônjuges do mesmo sexo, e os padres católicos em partes da Europa têm abençoado as uniões do mesmo sexo sem a censura do Vaticano.

A resposta do papa aos cardeais, no entanto, marca uma inversão da atual posição oficial do Vaticano. Numa nota explicativa de 2021, a Congregação para a Doutrina da Fé declarou categoricamente que a Igreja não poderia abençoar as uniões homossexuais porque "Deus não pode abençoar o pecado".

Na sua nova carta, o papa Francisco reiterou que o matrimônio é a união entre um homem e uma mulher. Mas respondendo à pergunta dos cardeais sobre as uniões homossexuais e as bênçãos, ele disse que a "caridade pastoral" requer paciência e compreensão e que, independentemente disso, os padres não podem se tornar juízes "que apenas negam, rejeitam e excluem".

"Por isso, a prudência pastoral deve discernir adequadamente se existem formas de bênção, solicitadas por uma ou mais pessoas, que não transmitam uma concepção equivocada do casamento", escreveu. "Porque quando se pede uma bênção, expressa-se um pedido de ajuda de Deus, um apelo para poder viver melhor, uma confiança num pai que nos pode ajudar a viver melhor."

Ele observou que existem situações que objetivamente "não são moralmente aceitáveis". Mas o papa disse que a mesma "caridade pastoral" exige que as pessoas sejam tratadas como pecadores que podem não ser totalmente culpados pela sua situação.

Francisco acrescentou que não há necessidade de as dioceses ou conferências episcopais transformarem tal caridade pastoral em normas ou protocolos fixos, dizendo que a questão poderia ser tratada caso a caso "porque a vida da Igreja corre em canais além das normas".

Os cinco cardeais, todos eles prelados conservadores da Europa, Ásia, África e Américas, desafiaram Francisco a afirmar o ensino da Igreja sobre os gays, a ordenação de mulheres, a autoridade do papa e outras questões na sua carta.

Eles publicaram o material dois dias antes do início de um grande sínodo, ou reunião, de três semanas de duração no Vaticano, no qual os católicos LGBT+ e seu lugar na Igreja estão na agenda.

Os signatários foram alguns dos críticos mais veementes do papa Francisco, todos eles aposentados e pertencentes à geração mais doutrinária de cardeais nomeados por São João Paulo II ou pelo Papa Bento XVI.

Eram os cardeais Walter Brandmueller, da Alemanha, um ex-historiador do Vaticano; Raymond Burke, dos Estados Unidos, que o papa Francisco demitiu da chefia da Suprema Corte do Vaticano; Juan Sandoval, do México, o arcebispo emérito de Guadalajara; Robert Sarah, da Guiné, o chefe reformado do escritório litúrgico do Vaticano; e Joseph Zen, o arcebispo emérito de Hong Kong.

Brandmueller e Burke estavam entre os quatro signatários de uma rodada anterior de "dubia" ao Papa Francisco em 2016, após sua controversa abertura para permitir que casais divorciados e recasados civilmente recebessem a Comunhão.

À época, os cardeais estavam preocupados com o fato de a posição do papa violar o ensinamento da Igreja sobre a indissolubilidade do casamento. O papa Francisco nunca respondeu às suas perguntas e dois dos seus cossignatários morreram posteriormente.

Francisco respondeu desta vez. Os cardeais não publicaram a sua resposta, mas aparentemente a consideraram tão insatisfatória que reformularam as suas cinco perguntas, submeteram-nas novamente e pediram que ele simplesmente respondesse com um sim ou não. Quando isso não aconteceu, os cardeais decidiram tornar públicos os textos e emitir uma advertência de "notificação" aos fiéis.

O Gabinete de Doutrina do Vaticano publicou a sua resposta algumas horas mais tarde, embora o tenha feito sem a sua introdução, na qual exortava os cardeais a não terem medo do Sínodo.

Acompanhe tudo sobre:Papa FranciscoLGBT

Mais de Mundo

Líderes políticos são presos e inabilitados por apoio à oposição na Venezuela  

Putin vai ao Vietnã tentar fortalecer aliança histórica focada em armas – e agora no petróleo

Por que Putin gosta de viajar em aviões russos antigos?

Novas pesquisas preveem vitória trabalhista histórica nas eleições britânicas

Mais na Exame