Acompanhe:

Netanyahu facilita porte de armas e promete resposta dura aos palestinos

Liderando uma coalizão que inclui a extrema direita, o premiê está pressionado para dar uma resposta dura ao ataque a uma sinagoga de Jerusalém

Modo escuro

Continua após a publicidade
Nenanyahu: "Nós temos visto, repetidamente, que civis heroicos, armados e treinados salvam vidas" (Getty Images/Getty Images)

Nenanyahu: "Nós temos visto, repetidamente, que civis heroicos, armados e treinados salvam vidas" (Getty Images/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 30 de janeiro de 2023 às, 08h18.

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, anunciou neste domingo, 29, medidas para facilitar o porte de armas para israelenses e um novo pacote de ações para reprimir os palestinos. Liderando uma coalizão que inclui a extrema direita, o premiê está pressionado para dar uma resposta dura ao ataque a uma sinagoga de Jerusalém, que deixou sete mortos - o atentado mais mortal contra judeus na área desde 2008.

No domingo a polícia israelense isolou a casa da família do jovem palestino Khairi Alqam, de 21 anos, autor do atentado na sinagoga em Jerusalém - o ataque aconteceu um dia após o Exército de Israel lançar a ofensiva mais mortífera em anos na cidade de Jenin, na Cisjordânia, território ocupado - dez palestinos morreram.

Nos últimos dias, a espiral de violência parece não ter fim. No sábado, um garoto palestino de 13 anos abriu fogo contra um grupo de israelenses que transitavam por Jerusalém, ferindo duas pessoas. No domingo, moradores de um vilarejo palestino nos arredores de Ramallah disseram que um grupo de um assentamento israelense havia queimado uma casa.

De acordo com a Wafa, agência de notícias dos palestinos, foram registrados um total de 144 ataques de colonos judeus na Cisjordânia - incluindo incidentes menores, como confrontos envolvendo o lançamento de pedras.

Armas

No domingo, Netanyahu disse que facilitar aos israelenses o acesso a armas de fogo reduzirá a violência. "Nós temos visto, repetidamente, que civis heroicos, armados e treinados salvam vidas", afirmou o premiê israelense.

Outras medida anunciada neste domingo por ele incluem a expansão dos assentamentos na Cisjordânia ocupada e a revogação dos direitos de residência de parentes de palestinos que cometem ataques.

Autoridades de Israel começaram neste domingo a demolir casas de palestinos envolvidos no ataque da sinagoga. "Israel dará uma resposta poderosa, rápida e precisa ao ataque de sexta-feira."

Netanyahu é um político experiente e já lidou com muitas crises com os palestinos. A diferença, desta vez, está na coalizão que forma o governo que ele lidera, formada por nacionalistas, religiosos e radicais de direita. Muitos analistas temem que a natureza da aliança torne dificulte uma saída para a crise.

Extremismo

Também no domingo, Abu Jamal, um eletricista de 50 anos, observava o cerco policial à casa de Alqam, o atirador da sinagoga, esperando a chegada das equipes de demolição. De acordo com ele, o clima nos bairros palestinos de Jerusalém Oriental era incendiário. "Este novo governo de Israel é radical", afirmou. "Eles continuarão colocando cada vez mais pressão sobre nós - até explodirmos."

Embora os policiais israelenses acreditem que Alqam tenha agido sozinho no ataque à sinagoga, eles anunciaram a prisão de pelo menos 42 pessoas em conexão com o atentado de sexta-feira, incluindo parentes do atirador.

Pacote de medidas do governo israelense

- Porte de armas: Netanyahu acredita que facilitar o acesso a armas de fogo reduzirá a violência em Israel.

- Assentamentos: Netanyahu defende a expansão de assentamentos na Cisjordânia, uma exigência de seus aliados mais radicais.

- Direitos: Para premiê, outra forma de contenção é revogar os direitos de residência de parentes de palestinos que cometem ataques.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Últimas Notícias

Ver mais
China se opõe a qualquer ação que aumente ainda mais a tensão no Oriente Médio, diz porta-voz
Mundo

China se opõe a qualquer ação que aumente ainda mais a tensão no Oriente Médio, diz porta-voz

Há 9 horas

Governo brasileiro se manifesta pela 1ª vez sobre explosões no Irã e pede 'máxima contenção'
Brasil

Governo brasileiro se manifesta pela 1ª vez sobre explosões no Irã e pede 'máxima contenção'

Há 10 horas

Ataque de Israel ao Irã: como é Isfahã, a terceira cidade iraniana, com três reatores nucleares
Mundo

Ataque de Israel ao Irã: como é Isfahã, a terceira cidade iraniana, com três reatores nucleares

Há 10 horas

Ouro sobe e fecha acima de US$ 2.400 pela primeira vez, em meio a tensões no Irã
seloMercados

Ouro sobe e fecha acima de US$ 2.400 pela primeira vez, em meio a tensões no Irã

Há 10 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais