Mundo

Na China, Blinken aborda preocupações com práticas comerciais do país vistas como injustas

Secretário de Estado enfatizou que os Estados Unidos buscam uma concorrência econômica saudável com o governo chinês

Anthony Blinken, secretário de Estado dos EUA (Omar Havana /Getty Images)

Anthony Blinken, secretário de Estado dos EUA (Omar Havana /Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 25 de abril de 2024 às 16h39.

Última atualização em 25 de abril de 2024 às 17h47.

Tudo sobreEstados Unidos (EUA)
Saiba mais

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, levantou nesta quinta-feira, 25, questões sobre o que os Estados Unidos descrevem como práticas comerciais chinesas injustas com autoridades do governo local em Xangai, segundo comunicado do Departamento de Estado. Blinken se reuniu com o principal funcionário da cidade, o secretário do Partido Comunista Chen Jining e "levantou preocupações sobre as políticas comerciais [chinesas] e as práticas econômicas não mercantis", segundo o documento.

Blinken enfatizou que os Estados Unidos buscam uma concorrência econômica saudável com a China e "condições equitativas para os trabalhadores e empresas americanas que operam na China", aponta a publicação.

Já o secretário afirmou que as "interações construtivas e a relação estável entre a China e os EUA não só fizeram avançar a nossa cooperação e intercâmbio em todos os diferentes aspectos, como também ajudaram a enfrentar os desafios globais e a promover a paz e o desenvolvimento mundiais. Portanto, quer a China e os EUA escolham a cooperação ou o confronto, isso afeta o bem-estar de ambos os povos das nações e também o futuro da humanidade".

Acompanhe tudo sobre:ChinaEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Chanceler israelense ameaça Hezbollah libanês com 'guerra total'

Alemanha alerta risco de ataques terroristas semelhantes ao de Moscou

Sob críticas da Otan, Putin desembarca na Coreia do Norte para estreitar parceria 'estratégica'

Milei perde apoio em 18 de 24 municípios da Grande Buenos Aires, mostra pesquisa

Mais na Exame